Edição nº2603 14/11 Ver edições anteriores

A culpa não é do Brasil

O Brasil tem uma oportunidade de ouro de se tornar um ator de primeira grandeza no xadrez mundial, pois pela primeira vez na sua história, é o único país que pode expiar a culpa que está consumindo toda humanidade. Esta pode ser a hora do Brasil.

O mundo reclama do Brasil, mas é o Brasil que devia estar reclamando do mundo. O aquecimento global não é culpa nossa. A desmatação da Amazônia, por mais dramática que seja, não é a responsável pelos incêndios que estão estrelando nas TVs de todo o mundo.

A culpa é da arrogância dos países ricos que durante anos acharam que o Al Gore era um escroto e Cowspiracy um filme de horror. A culpa é da China que come mais carne, queima mais carvão e consome mais água, que duas Amazônias juntas.

A culpa é Europa que cortou todas as florestas que havia antes de ter começado a revolução industrial. A culpa é do Macron que incendeia as mídias sociais com fotos falsas para subir nas pesquisas. A culpa é da Inglaterra, da França, da Alemanha e do Japão. A culpa é do Trump que quer ficar com o exclusivo do agronegócio e impedir o desenvolvimento do Brasil.

A culpa é deles, que nunca quiseram saber do ambiente, mas agora, quando o ar lhes queima a cara e ficam procurando bode expiatório, há um que tá na cara: Jair Bolsonaro.

O presidente do Brasil encaixa magistralmente nessa história. Seu jeito truculento faz dele o vilão perfeito para a irresponsabilidade secular de todo o mundo. Tão perfeito que gente com responsabilidades internacionais como a estrela Pop Madonna e o craque português Cristiano Ronaldo se aliam a essa estratégia partilhando fake news.

Mas reclamar de Bolsonaro não é reclamar do Brasil. Confundir a nuvem com Juno é uma tática canalha que todo o G7 está utilizando para sacolejar culpas e enfraquecer o Brasil nas negociações comerciais futuras. Mas ninguém vai dar mole.

A Amazônia pode até ser o último bastião de floresta da humanidade, mas apenas porque a humanidade já consumiu todos os outros; e a culpa disso não é do Brasil.

Parece que o mundo só acordou agora, Presidente, mas fique firme, a culpa é mesmo deles. Pelo bem do Brasil, fale pouco e venda caro.


Sobre o autor

José Manuel Diogo é autor, colunista, empreendedor e key note speaker; especialista internacional em media intelligence,  gestão de informações, comunicação estratégica e lobby. Diretor do Global Media Group e membro do Observatório Político Português e da Câmara de Comércio e Indústria Luso Brasileira. Colunista regular na imprensa portuguesa há mais de 15 anos, mantém coluna no Jornal de Notícias e no Diário de Coimbra. É ainda autor do blog espumadosdias.com. Pai de dois filhos, vive sempre com um pé em cada lado do oceano Atlântico, entre São Paulo e Lisboa, Luanda, Londres e Amsterdã.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.