A culpa de Witzel não é a inocência de Bolsonaro 

Crédito: Reprodução/YouTube

(Crédito: Reprodução/YouTube)


Para usar metaforicamente uma linguagem que ele empregou literalmente, quando ainda estava no cargo e falava de matar bandidos, Wilson Witzel foi “atingido na cabecinha” na tarde de hoje. Ele teve o seu mandato como governador do Rio de Janeiro cassado, por fazer vista grossa para o mal uso e o desvio criminoso de verbas públicas destinadas a combater a pandemia. 

Segundo o relator do processo de impeachment, o deputado Waldeck Carneiro, do PT, Witzel “contribuiu diretamente para proteger interesses privados e ilegítimos”. Com isso, prosseguiu o relator, além de colaborar com corruptos, o agora ex-governador contribuiu para “os números devastadores de mortes e infectados pelo novo coronavírus no Estado do Rio de Janeiro”. 

Jair Bolsonaro com certeza está feliz. Witzel cresceu eleitoralmente em 2018, na onda do bolsonarismo. Depois disso, pôs as manguinhas de fora e começou a cobiçar a presidência, o que lhe custou o ódio figadal do atual ocupante do cargo.

Melhor ainda é o fato de Witzel ter caído por causa de um esquema de desvio de dinheiro que deveria ter sido usado hospitais de campanha e a compra de respiradores. Isso favorece uma das principais linhas de defesa dos bolsonaristas na CPI da Covid-19: a de que o uso de recursos federais para a saúde, por prefeitos e governadores, deveria ser o verdadeiro centro das investigações. 

Mas será que favorece mesmo? 


+ Atleta de Jiu Jitsu morre aos 30 anos de Covid 15 dias após perder o pai pela doença
+ Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual
+ Mulher morre após ingerir bebida alcoólica e comer 2 ovos



Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. E depois de 400 mil mortos, todos os brasileiros devem ser capazes de fazer essa distinção, se não estiverem usando um antolho ideológico. 

Sim, muito dinheiro público deve ter sido desviado durante a pandemia. Caso contrário, não seria o Brasil. No Rio de Janeiro encontrou-se um exemplo. No Amazonas parece haver outro: nesta semana mesmo, o governador Wilson Lima e mais dezessete pessoas foram denunciadas pela Procuradoria Geral da República por crimes cometidos na compra de respiradores. O fato de Witzel e Lima operarem na mesma frequência política do bolsonarismo deve ser visto como coincidência. Outros casos provavelmente virão à tona, envolvendo gente que fica à esquerda, à direita e nas diagonais. 

Esse dinheiro poderia ter salvo vidas. É revoltante que tenha sido roubado. Mas isso não apaga os erros do bolsonarismo. 

Alguns desses erros envolvem, no mínimo, o mal uso de recursos públicos. Pensemos na cloroquina que o governo mandou fabricar, e que não curou ninguém. Pensemos nos testes que ficaram mofando na despensa do Ministério da Saúde, e que não ajudaram em nada o combate à propagação do vírus. É dinheiro que poderia ter salvo vidas. 

Mas Bolsonaro e seus asseclas fizeram muito mais contra a saúde dos brasileiros. O próprio governo compilou uma lista de vinte e três fatos que podem ser alvos de investigação da CPI. Os 400 mil mortos, e os outros que ainda virão antes de o pesadelo acabar, ficarão ligados ao nome do presidente nos livros de história.

Nos próximos dias, as redes sociais devem ser inundadas de mensagens que farão de Witzel um exemplo, não da má política, mas da suposta inocência de Bolsonaro. 

Bolsonaro não é inocente. Esse discurso será apenas mais um artifício covarde e desonesto de um governo que sabe o que fez, mas quer fugir da responsabilidade.

———————————————–

PS: Há sinais de que a agressividade de Renan Calheiros como relator da CPI da Pandemia tinha um propósito: “convencer” o governo a apoiar um projeto que daria ao Congresso influência sobre o Conselho Nacional do Ministério Público. Todo enredado em denúncias, o senador odeia procuradores. É Renan sendo Renan. Assim que voltou a ter algum poder, ele tentou usá-lo para obter o que lhe interessa. 

 

Veja também

+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.