Comportamento

A consagração do cuscuz

O cuscuz foi o último prato a entrar para a lista de patrimônios imateriais da humanidade elaborada pela Unesco. Originária do norte da África, a iguaria tem séculos de história e sua receita possui variações em todo o planeta

Crédito: Divulgação

CULTURA Mulheres preparam cuscuz no Marrocos: receita milenar é popular em todo o mundo (Crédito: Divulgação)

HISTÓRIA Prato chegou no Brasil no século XVI e tem várias versões locais (Crédito:Istock)

Não somente o prato em si, mas os saberes e as práticas da produção e a maneira como é consumido levaram o cuscuz a um novo patamar gastronômico. Toda essa relação em torno da receita a base de sêmola de trigo foi declarada Patrimônio Imaterial da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e a Cultura, a Unesco. A requisição para dar ao cuscuz o status de obra de arte da culinária foi feita conjuntamente entre Argélia, Marrocos, Mauritânia e Tunísia. Ao ser aprovada no final de dezembro, foi celebrada em diversos países que o consomem diariamente, como a França e o Brasil. Mas o que essa classificação significa na prática? Além de dar notoriedade ao prato, os países que dividem uma mesma herança cultural podem se aproximar diplomaticamente através de questões pacíficas e ainda valorizar sua história e turismo com o respaldo da ONU. Principalmente em países que vivem se estranhando politicamente, como é o caso das nações envolvidas nessa escolha.

“Essa inscrição conjunta ilustra até que ponto o patrimônio cultural pode ser um assunto sobre o qual os estados se reúnem e cooperam”, disse a organização em comunicado oficial. O Brasil, por exemplo, tem a capoeira como patrimônio imaterial, mas nada ainda envolvendo o paladar. O termo cuscuz é a tradução e transcrição latina de seksu, kuseksi ou kseksu, termos de origem berbere, etnia do norte do continente africano, que significam grãos ou sementes bem arredondadas. Por seu fácil preparo, sempre foi uma refeição prática, nutritiva e que exige poucos utensílios para o seu preparo, sendo ideal para povos nômades e agricultores com poucas variedades de plantio.

“Historicamente eram as mulheres que colocavam os grãos em uma peneira ou bacia, acrescentavam a água e a farinha de modo a engrossar a massa”, explica Carlos Alberto Dória, sociólogo especialista em culinária. Depois de pronto, os condimentos que acompanham o prato podem ser inúmeros, de legumes a especiarias e até carnes, dependendo do país e do gosto de quem o prepara. “O cuscuz é como um arroz e geralmente serve como um acompanhamento a outro prato. No Brasil, por exemplo, os bandeirantes que exploravam o território e faziam grandes viagens, levavam porções de cuscuz com carne seca para as expedições”, diz Dória.

Cruzando o Atlântico

Foi, aliás, através da colonização portuguesa que a iguaria chegou ao Brasil já no século 16. Por seu fácil modo de preparo, logo caiu nas graças dos habitantes do território nacional e hoje existem diversas receitas como o cuscuz paulista, o tropeiro e o nordestino que é inclusive consumido no café da manhã. Apesar da atual popularidade, a história nem sempre foi gentil ao prato associado aos árabes. A primeira menção literária ao cuscuz apareceu em um livro de receitas do século 13, época de forte presença muçulmana no continente europeu. “Esse alinhamento com uma cultura não cristã levou, durante a Idade Média e até o final do império Otomano, a um forte preconceito contra o prato por questões religiosas”, diz Dória. Felizmente, o cenário agora é outro. Não é pecado consumir cuscuz, tanto que atualmente ele é o terceiro prato mais amado pelos franceses segundo um levantamento da revista Gourmand, passando em preferência alguns clássicos do país como o foie gras, o ratatouille e o escargot. Vale lembrar que a própria “culinária francesa”, em todos os seus detalhes, também é um dos patrimônios imateriais da Unesco.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

A chef do restaurante Mi-Chemin de Paris, Nordine Labiadha, afirmou ao jornal “Le Monde” que a homenagem da Unesco ao cuscuz é um verdadeiro reconhecimento para as mulheres que sempre o cozinharam. Para ela, um dos trunfos do cuscuz é a sua resiliência. “Ele sempre resistiu ao tempo e à globalização e tem sido uma boa solução econômica na hora de se alimentar. Muitos códigos de conduta estão associados à refeição, principalmente em torno da educação: com o cuscuz, as crianças são ensinadas a se comportar bem à mesa, a comer do mesmo prato e incutimos nelas a noção de compartilhar”, disse ela à publicação. Se uma das qualidades do cuscuz é a experiência de apreciá-lo em grupo, reunidos à mesa, a comida pode ganhar ainda mais notoriedade com o fim do isolamento causado pela pandemia. Até lá, o jeito é correr para a internet e livros de receita para descobrir todas as possibilidades que um bom cuscuz tem a oferecer.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Veja o significado dos 10 sonhos mais comuns
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel