A canhota irresistível

Lamentavelmente, o Brasil não possui uma direita necessária, disse o cientista político Sergio Fausto. Acrescento que tampouco temos uma esquerda adequada e verdadeiramente democrática. A diferença é que o pensamento de esquerda predomina como “software de fábrica” das faculdades de Ciências Sociais. Assim, ser de direita é remar contra a maré.

O jornalista Assis Chateaubriand dizia que, em seus tempos, não se fazia jornal sem comunistas. Indagado sobre os comunistas em sua equipe, o também jornalista Roberto Marinho teria dito: “General, cuide dos seus comunistas que eu cuido dos meus.”

A participação de jornalistas ideologicamente comprometidos com posições de esquerda sempre foi relevante. A ponto de, algumas vezes produzirem mais militância do que jornalismo.

Nos anos 1980, a redação da Folha de S.Paulo parecia um comitê do PT, com fotos de Che Guevara, bottons e boinas. Em 2014, de acordo com Sérgio Dávila, editor executivo do periódico, um censo interno realizado pelo Datafolha atestou que 55% dos funcionários da redação se consideravam de esquerda e 23%, de centro. Não sabemos se alguém entre eles se identificou à direita.

Hoje, o predomínio do pensamento de esquerda entre os jornalistas está abalado, mas permanece, mesmo com as decepções em relação ao PT e à Venezuela, entre outras desilusões. Paradoxalmente, o predomínio vem sendo alimentado por polêmicas criadas pelo momento político. Com isso, o esquerdismo das redações está se transformando em campo de resistência “democrática”, como durante o regime militar.


+ Advogada é morta e tem corpo carbonizado no Rio de Janeiro
+ Morre Liliane Amorim, influencer de Juazeiro do Norte, após complicações da realização de lipoaspiração

Em recente premiação do site Congresso em Foco, os dez deputados selecionados por jornalistas como os melhores da Câmara são ideologicamente de esquerda. Impressiona o fato de alguns dos escolhidos possuírem relevância periférica e outros se destacarem por uma atuação histriônica ou alegórica. Mas todos, sem dúvida, são ideologicamente afinados com as esquerdas. Foram escolhidos por serem de esquerda? Parece que sim.

O que isso significa para o leitor? Fundamentalmente, que o jornalismo político demonstra, em grande parte, ter um lado. O que termina nublando com tintas ideológicas o quadro da realidade, já que muitos praticam o jornalismo de “resistência”. Falta equilíbrio em nosso noticiário. Não apenas por questões conjunturais, mas sobretudo, por razões históricas e culturais.

Falta equilíbrio ao nosso noticiário. Alguns profissionais produzem mais militância do que jornalismo

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ 7 tendências de design de interiores que vão bombar em 2021
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.