“A avestruz”

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, afasta-se cada vez mais do magistrado que foi, mas não consegue se aproximar do político de prestígio que pretende ser — prestígio que poderia lhe dar até a chance de sonhar com uma eventual candidatura ao Palácio do Planalto em 2022, abrindo mão, assim, de seu projeto inicial que é o de ser indicado para o Supremo Tribunal Federal. Moro inquieta-se, e, recentemente, demonstrou isso pelo Twitter afirmando que em relação ao seu pacote de catorze medidas anticrime, enviado em fevereiro ao Congresso, não pode o governo comportar-se “como uma avestruz”. Ou seja: Moro não quer que o governo enfie a cabeça na terra e deixe de articular uma base parlamentar que garanta a aprovação do pacote.

O ministro tem todo o direito de lutar pelas medidas que criou e nas quais acredita no combate à criminalidade. A sua pressa, no entanto, tem também outras razões. A principal delas é que, naturalmente, o pacote anticrime ficou ofuscado pelo tema da reforma da Previdência, que tramita na Câmara. Nem poderia ser diferente. Por mais que a violência se espalhe pelo chão brasileiro, o certo é que colocar a Previdência nos trilhos é mais urgente, porque, sem a tal reforma, nem o País existirá mais. Outro motivo é que entre as medidas propostas sobrevive uma que abrirá um desgastante debate no Congresso, justamente no momento em que se precisa da união para salvar a agonizante economia.

Sergio Moro aceitou o fatiamento de seu projeto, acenando aos parlamentares com a minimização criminal da prática de caixa dois. Não adiantou nada. Os deputados e senadores sabem que existe um ponto nas catorze medidas que precisa ser descartado. Trata-se da “excludente de ilicitude” na legítima defesa por parte de policiais, se ela decorrer de “escusável medo, surpresa ou violenta emoção”. Trocando em miúdos, nessas hipóteses o policial mata mas não pode ser punido penalmente. O governo e os parlamentares não vão colocar as mãos nesse vespeiro, sobretudo tendo consigo as estatísticas do Fórum Brasileiro de Segurança Pública: policiais civis e militares, em todo o País, estando ou não em serviço, mataram 5.159 pessoas em 2017.

o estudo, esse número é cotejado com o de 2013, quando a polícia matou 2.202 pessoas. O aumento é estrondoso e a proposta de Moro tende a cair. Sem ela, o seu pacote não é nada diferente do que já se tentou fazer no País e não funcionou. Essa é a cartada de Moro para aumentar a sua popularidade, mas ele tende a ficar com par de sete nas mãos.

O ministro jogou a sua única cartada. Tende a ficar com par de sete nas mãos


+ Advogada é morta e tem corpo carbonizado no Rio de Janeiro
+ Morre Liliane Amorim, influencer de Juazeiro do Norte, após complicações da realização de lipoaspiração

 

Veja também

+ Restaurante japonês que fez festa de swing lança prato chamado “suruba”
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ KTM lança a nova e espetacular 1290 Super Adventure S
+ 7 tendências de design de interiores que vão bombar em 2021
+ Chef revela o segredo de como fazer ovos mexidos cremosos de hotel
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!l
+ Boletim médico de apresentador da RedeTV! indica novo sangramento no cérebro
+ Yamaha se despede da SR 400 após 43 anos de produção
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.