A armadilha da soja

Crédito: José Manuel Diogo

(Crédito: José Manuel Diogo)


A recente subida do preço das mercadorias no comercio internacional é uma bênção, um presente de Grego ou uma oportunidade de ouro para refletir sobre uma futura estratégia econômica para o Brasil?

É verdade que nos últimos meses o preço das mercadorias no mercado internacional aumentou significativamente e isso teve um impacto muito positivo nas contas da nossa economia. Porque o sector dos produtos de base — também conhecidos por commodities — tem um papel vital na nossa economia o resultado imediato é bom, mas será inteiramente assim?

Precisamos ter em atenção quais os fatores que estão por detrás desse aumento de preços e como na verdade eles poderão se sustentar no futuro. É de esperar uma constante subida? Que fatores influem para a formação dos preços?

O crescimento populacional e o aumento médio de renda mundiais são o que puxa os preços para cima, mas as variações climáticas e o preço da produção energia são perigos que impactam diretamente o Brasil porque depende em demasia destes produtos e por isso mais exposto e é menos competitivo.

O maior determinante da vulnerabilidade de um país a choques de preços é a percentagem de commodities nas suas exportações, sendo que se é considerado “dependente” quando estas mercadorias representam 60% — ou mais das — das receitas totais de exportação.

É verdade que, de acordo com este critério, todos os países da América do Sul, mais a Jamaica e o Belize, podem ser classificados como Países em Desenvolvimento Dependentes de Comodities (CDDCs), mas quando falamos de um gigante como o Brasil, este modelo de negócio muito simplificado — arrancar da terra e vender, sem quase acrescentar valor — representa um risco sistémico incomparavelmente maior que em outros países nossos concorrentes diretos na economia global.

Dados oficiais das Nações Unidas (UCTAD) mostram que a participação média anual das commodities no total das exportações de mercadorias dos Estados Unidos da América é de (apenas!) 25%, mas no Brasil é de 64% (tudo isso!)

Quando em 2020, os dois países controlavam 85% do mercado global deste produto —um volume total 54,5 bilhões de dólares com uma repartição muito semelhante — Brasil $28,6 bilhões, para 44,1%; EUA $25,9 bilhões, para 40,1%.

Mas como a participação da soja nas nossas exportações é 12% e nas dos americanos é menos de 2%, o impacto da descida do preço deste produto na economia do Brasil é 6 vezes maior.

Para que o Brasil consiga se conectar com as melhores economias mundiais é urgente acrescentar valor aos produtos e não vender apenas a soja como ela brota da terra.

 

Saiba mais
+ Mãe de Medina compara Yasmin Brunet a ‘atriz pornô’ e colunista divulga conversa
+ Chamada de atriz pornô, Yasmin Brunet irá processar mãe de Gabriel Medina
+ Mulher divide marido com mãe e irmã mais nova: ‘Quando não estou no clima’
+ Em pose sexy, Cleo Pires afirma: "Amando essa minha bunda grande"
+ Médicos encontram pedaço de cimento em coração de paciente durante cirurgia
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio

Tópicos

soja

Sobre o autor

Fundador da Informacion Capital Consulting e Diretor da Câmara de Comércio e Industria Luso Brasileira em Lisboa onde coordena o comité de Trade Finance é o autor do estudo "O Potencial de Expansão das Exportações Brasileiras para Portugal”. Atua atualmente como investidor e consultor, estando envolvido em projetos de intercâmbio internacional nas áreas do comércio, tecnologia e real estate. Vive com um pé em cada lado do Atlântico, entre São Paulo e Lisboa. É autor e colunista na imprensa internacional sobre temas de investimento, importação e exportação e inteligência de mercado. É um entusiasta da cultura e da língua portuguesa.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.