A Amazônia é nossa

A Amazônia é nossa

Quando a ponte Rio-Niterói estava sendo construída, no início dos anos 70, perguntaram ao humorista Max Nunes o que ele achava da ideia. A resposta foi: “Por um lado, é bom; por outro, é Niterói”.

Esta história que cai como uma luva em dois acontecimentos relevantes desta semana.

Primeiro, nas declarações do Presidente Bolsonaro à rádio Jovem Pan sobre os riscos que o Brasil corre em não explorar ativamente a Amazônia. “A indústria da demarcação inviabiliza qualquer projeto (…) e eu vou rever isso para que indígenas e quilombolas possam vender ou explorar suas terras da maneira como acharem melhor. Eu quero explorar a região amazônica em parceria com os Estados Unidos, (para não a perder)”.

Em segundo lugar, nas conclusões de um estudo que a empresa global de gestão de risco, Marsh apresentado na Europa, em Lisboa. “O maior risco para a humanidade não é mais a guerra ou a recessão económica. Nem os ataques terroristas, mesmo os cibernéticos. O riscos mais prováveis, e com mais impacto económico, em que a humanidade incorre nos dias de hoje, são os eventos climáticos extremos e as catástrofes ambientais. Apenas o risco inerente à utilização de armas de destruição massiva é maior que os relacionados com as alterações climáticas, só que a probabilidade de isso acontecer é nula”. É a síndrome Max Nunes aplicada à geopolítica global!

Vista do lado da Europa, que já arrebentou suas florestas, muitas décadas e até séculos atrás, a desflorestação da Amazônia é uma coisa má, não apenas por causa de questões ambientais que afetarão todo o mundo, mas porque o equilíbrio ambiental vai ficar mais caro para as empresas europeias que vão precisar comprar mais CO2.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Vista do Brasil a coisa é diferente. O território da Amazônia é, antes de ser patrimônio da humanidade, parte integrante do Brasil. Independentemente de quem more no meio da selva, o Brasil é soberano e tem direito a dispor e a explorar economicamente, em conjunto com quem quiser, um recurso fantástico que é só seu por direito internacional. Respeitem-se os direitos humanos e a soberania é inquestionável.

Se a humanidade acha que tem direitos sobre a Amazônia, não tem problema. A humanidade que os pague. Até porque, como também dizia o Max Nunes, “O Brasil precisa explorar com urgência a sua riqueza – porque a pobreza não aguenta mais ser explorada.“

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!
+ Modelo e atriz italiana paga promessa e posta foto ‘só de máscara’ após vitória da Lazio
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

Tópicos

amazônia

Sobre o autor

José Manuel Diogo é autor, colunista, empreendedor e key note speaker; especialista internacional em media intelligence,  gestão de informações, comunicação estratégica e lobby. Diretor do Global Media Group e membro do Observatório Político Português e da Câmara de Comércio e Indústria Luso Brasileira. Colunista regular na imprensa portuguesa há mais de 15 anos, mantém coluna no Jornal de Notícias e no Diário de Coimbra. É ainda autor do blog espumadosdias.com. Pai de dois filhos, vive sempre com um pé em cada lado do oceano Atlântico, entre São Paulo e Lisboa, Luanda, Londres e Amsterdã.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.