Os guardas da esquina

No dia 13 de dezembro de 1968, quando vários ministros assinaram o AI-5, uma única voz se levantou contra a atrocidade institucional cometida pelo general Costa e Silva.

No dia 13 de dezembro de 1968, quando vários ministros assinaram o AI-5, uma única voz se levantou contra a atrocidade institucional cometida pelo general Costa e Silva. Foi a de seu vice, Pedro Aleixo. "Presidente, o problema de uma lei assim não é o senhor, nem os que com o senhor governam o País; o problema é o guarda da esquina", disse o político mineiro. O alerta não impediu que o decreto fosse assinado, atirando o Brasil num dos períodos mais sombrios de sua história, que será lembrado pela censura, pela repressão política e pela supressão de garantias básicas como o habeas-corpus. Instituída a desordem, alguns guardas da esquina, apoiados por militares da mais alta patente, se transformaram em torturadores profissionais.

Decorridos quase 40 anos, chegou a hora de um saudável acerto de contas com o passado. Quer o ministro Tarso Genro que os crimes executados nos porões da ditadura não sejam mais enquadrados na Lei da Anistia, de 1979, abrindo espaço para a responsabilização penal e civil dos torturadores da ditadura. Apesar da gritaria dos militares, a iniciativa nada tem a ver com revanchismo. Trata-se, tão-somente, de Justiça – aliás, com muito atraso. Países como Chile e Argentina já levaram aos tribunais diversos criminosos fardados. Muitos deles foram condenados e enviados para celas comuns. Numa mensagem ao Parlamento argentino, no ano passado, o ex-presidente Néstor Kirchner, resumiu a história: "Os valentes que torturavam têm medo da Justiça hoje? Onde está a valentia deles agora? Onde está a coragem que tinham?"

Tarso merece elogios por colocar o dedo na ferida. Especialmente porque a punição aos torturadores do passado será pedagógica. Ajudará a desencorajar futuros arbítrios. Nada pior, para uma sociedade, do que o crime sem castigo. Mas Tarso também deveria olhar um pouco mais ao seu redor. Dias atrás, soube-se que a Polícia Federal, subordinada ao Ministério da Justiça, teve acesso indiscriminado ao cadastro telefônico de todos os assinantes. Nessa "grampolândia" nacional, cresce a sensação de que se vive no Brasil sob um Estado policial. O próprio Tarso tem admitido abusos, mas não basta reconhecê-los – também é preciso punir.

O Brasil deve punir os torturadores da ditadura, sem se esquecer dos arbítrios do presente

O ministro, no entanto, tem as mãos amarradas. Sua dificuldade decorre da opção feita pelo governo Lula logo no início do primeiro mandato: a de transformar operações policiais em peças de propaganda política. Os guardas da esquina animaram-se com o enredo, cometeram abusos em série e por muito pouco não causaram uma crise institucional no País. Tarso agora terá de ser coerente. Se quiser punir os torturadores do passado, que também condene o arbítrio que ocorre sob seu próprio nariz.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.