Brasil

A lavanderia do PT

Caminho do dinheiro que pagou Duda pode levar a contas do partido no Exterior

Os integrantes da CPI dos Correios parecem convencidos de que o doleiro Toninho da Barcelona pode fornecer dicas sobre as contas do PT no Exterior. Mas documentos obtidos por ISTOÉ mostram que as pistas que poderão levar à rota do dinheiro do mensalão vão em outra direção. O dinheiro que pagou as dívidas de campanha com o publicitário Duda Mendonça no Exterior tem um pé fincado em escritórios de empresários, doleiros e banqueiros de Belo Horizonte. Ou seja, pode não ter havido empréstimo algum entre Valério e o PT. Afinal, se o empréstimo existisse mesmo, não haveria nenhum motivo para fazer pagamentos em dólar lá fora. A única explicação plausível, avaliam integrantes da CPI dos Correios, é a de que, na verdade, o dinheiro usado para pagar Duda já estava no Exterior. A GD International Corp, uma das empresas que depositaram dinheiro em favor do marqueteiro, pertence ao empresário e diretor do Clube dos Dirigentes Lojistas de Minas Gerais, Glauco Diniz Duarte, e a seu ex-funcionário Alexandre Vianna Aguilar.

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

Laços – A empresa nasceu em 1999 no balneário de Pompano Beach, na Flórida, e parece ter vocação para movimentar dinheiro de políticos e empresários no Exterior. Ligado a empresas de factoring, Glauco despacha num escritório no bairro da Savassi e tem fortes laços com a política. É genro do ex-prefeito de BH Maurício Campos, um cacique histórico do PL. É também sócio em uma empresa têxtil do empresário Nagib Callil El Abras, que em 2002 coordenou a campanha do ex-governador Newton Cardoso.

Nos últimos cinco anos, a dupla Glauco-Nagib se aproximou do publicitário Marcos Valério, que passou a utilizar a GD para movimentar dinheiro no Exterior. Entre 2002 e 2003, a GD, cujo braço mineiro se chama GD Participações e Empreendimentos, movimentou nada menos que US$ 15,6 milhões no MTB Bank, uma das maiores lavanderias do planeta. Os documentos demonstram que a maior parte das transações teve o objetivo de trazer recursos para dentro do País, e não enviá-los, o que corrobora a tese que considera os empréstimos ao PT uma fraude. Três outras empresas offshore que pagaram Duda no Exterior também têm elo com Belo Horizonte. Aberta no paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas, no Caribe, a Radial é operada por um conhecido doleiro de BH, Camillo Assunção, preso pela Polícia Federal em 2004 junto com outros 60 doleiros, na Operação Farol da Colina.

Em 2003, a Radial internou por meio de contas de doleiros no MTB cerca de US$ 1,5 milhão. O Trade Link Bank, que aparece movimentando US$ 700 milhões no MTB, é o braço caribenho do também mineiro Banco Rural, ligadíssimo a Marcos Valério. Controlada pelo mesmo banco, a Rural Europa, com sede na província portuguesa da Ilha Madeira, tem igualmente vocação para lavanderia. Fez cinco operações por meio de doleiros no MTB em 2003.

Veja também

+ Ford anuncia local e investimento de US$ 700 milhões em fábrica que criará F-150 elétrico

+ RJ: tráfico promete caçar quem gravou equipe do Bravo da Rocinha: ‘Vai morrer’

+ Hubble mostra nova imagem de Júpiter e sua lua Europa

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Peugeot apresenta sua primeira moto feita em parceria com a Mahindra

+ A Fazenda 12: Jojo Todynho causa e pede óleo ungido a Edir Macedo

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea