A semana

Filha de ministro assassinado é presa como suspeita

Filha de ministro assassinado é presa como suspeita

Há um ano foram mortos com 70 facadas o ministro do TSE Guilherme Villela, sua mulher e a empregada do casal. Seus corpos foram encontrados em sua residência, em Brasília, três dias após o crime. A polícia passou um ano investigando e saiu como entrou: com as mãos abanando. Agora prendeu a filha do ministro, Adriana Villela, como suspeita. Ressalta-se: depois de um ano. Diz a polícia que há impressões digitais da fi lha no apartamento dos pais (provavelmente na casa de todos os pais haja impressões de filhos que os visitam). Diz a polícia que Adriana e os pais brigavam por herança (nada incomum nas famílias). A polícia pode estar certa, mas faltam provas concretas. O ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, disse que a polícia brasileira investiga sem concluir quase nada. Liberou R$ 100 milhões para sanar o problema. O caso do ministro morto ilustra a fala do ministro vivo. 

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel