Eleições 2010

Vale tudo

Celebridades e quase celebridades invadem o horário eleitoral apostando que o eleitor já não suporta os políticos tradicionais

Vale tudo

Assista abaixo os melhores momentos do debate entre os candidatos realizado nos estúdios de IstoÉ

IstoE_Bloco01_Mesa_255.jpg
Candidatos folclóricos ou não? Ronaldo Ésper, Batoré, Mulher Pêra e Juca Chaves explicam por que querem ser deputados federais

IstoE_Bloco02_batore_255.jpg
"Estamos sob os holofotes". Para debatedores, o fato de ser artista aumenta muito a responsabilidade de um candidato 

IstoE_Bloco03_Pera_255.jpg
O debate pega fogo. Mulher Pêra lembra história pessoal para defender esposas que apanham dos maridos

IstoE_Bloco04_Ronaldo_255.jpg
"Eles morrem sozinhos, fedendo". Ronaldo Ésper defende a criação de um asilo para homossexuais de idade avançada

IstoE_Bloco05_Juca_255.jpg
Vendendo o peixe. Candidatos rebolam para fazer as suas considerações finais caberem em um minuto

 

img.jpg
NICHOS
O humorista Batoré, a funkeira Mulher Pêra, o cantor
Juca Chaves e o estilista Ronaldo Ésper: atrás do voto

selo.jpg

Eles estão em busca de novos palcos. Alguns já encerraram suas carreiras. Outros constatam, tristemente, que jamais serão populares como nos áureos tempos. Também há aqueles que mal chegaram a disputar um posto de celebridade e se depararam com sinais inequívocos de que o caminho para o estrelato foi tão curto quanto será efêmero. Em todo ano eleitoral a história se repete: um batalhão de ex-famosos e de quase famosos surge nos horários políticos batalhando pelo voto do eleitor brasileiro. É inerente à democracia que qualquer cidadão tem direito de postular um cargo eletivo, mas a profusão de inusitadas candidaturas acaba passando a ideia de absoluta falta de critérios. “É do jogo”, ensina o cientista político Gaudêncio Torquato: “As candidaturas são legítimas, mesmo que acabem funcionando como anzóis para os interesses partidários.”

O cardápio de opções deste ano parece mais amplo. Para eventuais saudosos do boneco Fofão, tem a ex-“Balão Mágico” Simony (PP), candidata a deputada estadual por São Paulo. Aos que não abrem mão da tradição, Sérgio Reis (PR) pode ser opção para a Câmara Federal. Myrian Rios (PDT) avisa aos navegantes que já não responde como atriz e quer distância daquela imagem estampada em revistas masculinas. Ela é missionária e concorre a deputada estadual. A categoria “Mulher Fruta”, a novidade deste pleito, é representada pelas funkeiras Suelem Mendes Silva (PTN), a Mulher Pêra, e Cristina Batista (PHS), a Mulher Melão, ambas candidatas a deputada federal. Entre um sem-número de esportistas surge o ex-boxeador Maguila, que espera receber “votos de gratidão”. “Como não têm mais espaço na tevê, as ex-celebridades buscam na política uma nova forma de estar em contato com o público”, nota Torquato.

As motivações declaradas para estrear na política são variadas. A Mulher Pêra, por exemplo, diz que sempre gostou de “ajudar os outros” e que, por isso, decidiu investir na política. “Durante meus shows a gente perguntava se as pessoas tinham candidato e elas nunca sabiam em quem iam votar. Então o presidente do partido me convidou e eu topei”, explica. A Mulher Pêra acredita que seu papel será o de “fazer leis para o governo”. O costureiro Ronaldo Ésper (PTC), que concorre a vaga para deputado federal e promete “agulhar os políticos em Brasília”, não quer ser considerado “uma figura folclórica”. “Tenho projetos consistentes. Não quero que pensem que sou oportunista nem que me comparem a personagens, como um Tiririca”, avisa. Mas nem Tiririca quer ser comparado a Tiririca. O humorista já avisou que, no Congresso, será conhecido apenas como “Everardo”, seu verdadeiro nome. “Vou ter o voto dos que gostam do meu trabalho e o voto de protesto também. As pessoas estão de saco cheio da política”, acredita Tiririca, que não se despe do personagem para fazer campanha.

A lógica de Tiririca faz sentido, segundo os cientistas políticos. “A política é tão desacreditada e os partidos são tão iguais que as pessoas acabam votando por simpatia”, diz Torquato. A fórmula só não é garantia de sucesso, como comprovam os resultados das eleições passadas. Em meio a um mar de celebridades, apenas o cantor Frank Aguiar, o estilista Clodovil Hernandez, falecido no ano passado, e o filho do apresentador do SBT, Ratinho Júnior, conseguiram uma vaga na Câmara dos Deputados.

img1.jpg

 

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel