Em Cartaz

8 ½ altera o formato no Brasil

A Festa do Cinema Italiano ocorre em 16 cidades, com filmes inéditos e o clássico “A melhor juventude”, de Marco Giordana

Crédito: Gianni Fiorito

LÍDER Silvio Berlusconi (Tony Servillo) é o protagonista (e alvo) da sátira “Silvio de os outros” (Loro), de Paolo Sorrentino (Crédito: Gianni Fiorito)

A 8 ½, Festa do Cinema Italiano, começou em 2008 em várias cidades lusófonas espalhadas por três continentes. O festival chega à quinta edição no Brasil, com o formato remodelado: são menos filmes, nove no total (foram 80 em 2018), mas com ampliação do circuito e da duração. Ele acontece em duas semanas, em vez de uma, e 16 cidades, com três a mais que em 2018: Natal, Fortaleza e Londrina. São oito estreias e uma sessão especial, em homenagem ao drama político “A melhor juventude”, de Marco Tullio Giordana, lançado em 2003. Além disso, acontece a mostra “A grande arte no cinema”, com documentários sobre artistas como Caravaggio, Michelangelo, Raffaello e Da Vinci. Entre as premières, o destaque é “Silvio e os outros” (Loro), de Paolo Sorrentino, estrelado por Toni Servillo. O drama retrata a decadência do império do ex-premiê e de sua corte quase circense. São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Curitiba, Niterói, Brasília, Recife e Porto Alegre, de 8 a 14/8. Belém, Florianópolis, Goiânia, Salvador, Vitória, além de Fortaleza, Londrina e Natal, de 15 a 21 de agosto.

3 destaques do evento

Divulgação

Dafne , de Federico Bondi – Uma jovem com síndrome de Down se aproxima do pai, que acaba de enviuvar

Lucia Cheia de Graça, de Gianni Zanasi – A mãe solteira Lucia tenta equilibrar o trabalho e obrigações maternas. Até que ela tem visões beatíficas

Noite mágica, de Paulo Virzì – Suspense sobre a misteriosa morte de um produtor de cinema no rio Tibre, em Roma. Três jovens roteiristas que trabalham com ele são suspeitos