i96536.jpg

PLUGADO Fernando Souza (ao centro) com os amigos em um bar: ele atualiza o Twitter de qualquer lugar

Um espaço no qual celebridades como o presidente dos EUA, Barack Obama, o escritor Paulo Coelho e a cantora Britney Spears expõem sua rotina, em pé de igualdade com milhões de anônimos de todo o mundo. Se já não houvesse pelo menos uma dúzia de definições para o Twitter – site de relacionamentos, chat permanente, trocador de links -, esta frase diria muito sobre a nova febre da internet. Recentemente, o site ultrapassou a marca de um bilhão de mensagens – muitas delas disparadas de computadores e celulares de São Paulo, que, segundo o jornal britânico The Times, é a quarta cidade do planeta em número de usuários, atrás apenas de Londres, Nova York e São Francisco. No ano passado, o Twitter cresceu em ritmo de cinco mil a dez mil contas novas por dia.

É gente que acompanha a vida alheia através de mensagens escritas em, no máximo, 140 caracteres. Além do simples voyeurismo, o site tem servido também para defender causas, divulgar empresas e distribuir notícias em tempo real. No mês passado, o empresário Janis Krums relatou, no Twitter, que um avião havia caído no rio Hudson, em Nova York. Ele foi o primeiro a fotografar a aeronave que transformou em herói o piloto Chesley Sullenberger por salvar os 155 passageiros. O anônimo fotógrafo enviou sua imagem e acrescentou: "Agora vou ajudá-los." O texto e a imagem correram mundo, e o microblog ficou mais famoso ainda.

A exploração das mil e uma funcionalidades do site está começando. Esse é o objeto de debate de um blog de sucesso, o Twitter Brasil. "O número de usuários chegará a três bilhões ou quatro bilhões em uma velocidade muito maior do que aquela com a qual chegou a um bilhão", prevê Fernando Souza, um dos editores do blog. Em sua maioria, os usuários do Twitter são pessoas comuns dispostas a dividir com os outros o seu prosaico cotidiano ou gente que, na mão inversa, quer saber da rotina de outros internautas e compartilhar com eles alguns comentários. Mas agora o potencial comercial do site passa a ser valorizado. O empresário carioca Fábio Seixas, por exemplo, o utiliza como suporte para metas comerciais. Sócio do portal Camiseteria. com, Seixas comemora melhoria nas vendas e mais integração com os clientes graças à nova ferramenta. "Ele gera mais visitas até que o Orkut. Mais do que um retorno em vendas, o melhor é o feedback dado pelos clientes quando compram nossos produtos", diz Seixas.

"Ele gera mais visitas até que o Orkut. O melhor é o feedback dos clientes"

Assine nossa newsletter:

Inscreva-se nas nossas newsletters e receba as principais notícias do dia em seu e-mail

Fábio Seixas, que usa a ferramenta como suporte para vendas

Segundo o twitteiro Souza, ainda não existe uma fórmula certa de como ganhar dinheiro com a ferramenta. "Mas na maioria dos casos ele potencializa ações, somando forças com outros canais de divulgação", diz. O psicólogo e escritor paulista Marcos Donizetti lança mão da ferramenta para tornar seu livro Meias vermelhas e histórias inteiras mais conhecido, mas gosta mesmo é da socialização que o site possibilita: "Alguém manda mensagem dizendo que está na avenida Paulista, indo para um bar, e no mesmo instante dez pessoas aparecem lá."

A velocidade é justamente um dos grandes atrativos do Twitter. Em abril do ano passado, por exemplo, o estudante de jornalismo James Karl Buck, autor do site https://www.jameskarlbuck.com, foi preso no Egito ao participar de um protesto contra a violência policial que irrompera contra funcionários em greve da principal fábrica de tecidos do país. Buck rapidamente mandou pelo celular a palavra arrested ("preso" em inglês) para seu Twitter. Os seus 50 "seguidores" logo viram a mensagem e se mobilizaram, conseguindo pela internet um advogado egípcio que soltou Buck em horas.

De acordo com o consultor de conteúdos para portais brasileiros, Zander Catta Preta, nada no blog remete a um site de relacionamentos, a não ser o fato de adicionar amigos. "É mais um local de compartilhamento de informação instantânea", afirma o twitteiro. "Uso para marcar chopes e eventos em São Paulo, para conversar com amigos e para pesquisas rápidas em que a informação pessoal é mais eficaz que a robótica." O psicólogo Donizetti utiliza o microblog para exercitar seu amor pelo futebol. "É o melhor lugar do mundo para rir dos adversários quando seu time ganha", conta. Com seu clube em ótima fase, ele tem sólidos motivos para isso. "Sou sãopaulino", sorri. E quem for seu seguidor vai ter que engoli-lo.

i96538.jpg


Siga a IstoÉ no Google News e receba alertas sobre as principais notícias