A GRANDE CHANCE

A substituição de Waldir Pires por Nelson Jobim no Ministério da Defesa


 

 

opiniaoeideias1_61.jpg

 

+ Rafa Kalimann posa nua em sacada de hotel, veja fotos


 

A substituição de Waldir Pires por Nelson Jobim no Ministério da Defesa neste momento dramático da crise aérea no País pode finalmente criar condições para que a Pasta se afirme, no médio prazo, como órgão unificado da Defesa Nacional. Jobim não é especialista na área, mas tem a fama de se aprofundar em assuntos aos quais se dedica, tem apetite pelo poder e vocação de comando. Dessa maneira, o ex-ministro da Justiça e expresidente do STF tem todas as condições para exercer a autoridade que faltou a seus antecessores.

Criado oficialmente em 1999, o Ministério da Defesa sempre enfrentou forte oposição das Forças Armadas, cujos comandos jamais se conformaram em perder o status de ministérios. Para agravar o impasse, os governos FHC e Lula entregaram a Pasta a políticos inapetentes e sem afinidade com a área, que assim se tornavam reféns dos comandantes. A exceção foi José Viegas, primeiro titular do governo Lula, que caiu quando trombou com o comandante do Exército e o Planalto não teve coragem para defendê-lo.

O desafio de Jobim é bem mais grave, porque ele tem pela frente o hercúleo trabalho de domar o catastrófico apagão aéreo que se abateu sobre o País. Obteve carta branca de Lula e, se obtiver êxito nesta empreitada, o resto será relativamente fácil. Terá, então, condições de acabar com o estigma da caserna contra paisanos chefiando a Defesa. Há um bom precedente: João Pandiá Calógeras (1870-1934), o único civil a ocupar o Ministério da Guerra durante a República. Engenheiro de formação e político por vocação, ele promoveu a partir de 1919 a mais profunda modernização até então no Exército brasileiro. Ganhou respeito dos militares e, em 1922, teve peito para mandar prender o marechal Hermes da Fonseca, ex-presidente da República, e fechar o Clube Militar, quando estes se envolveram em questões políticas.

A sorte está lançada.






Mais posts

Ver mais

Copyright © 2022 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.