Entrevista

Itamar Franco

“Eles só se preocupam com a calculadora”

“Eles só se preocupam com a calculadora”

Quatro anos após apoiar a eleição de Lula, ex-presidente é barrado pelo Planalto na disputa para o Senado e já se considera fora do PMDB

Célia Chaim
Edição 12/07/2006 - nº 1916

Os cabelos continuam iguais – o topete também. Itamar Franco, o presidente que assumiu o governo após a derrocada de Fernando Collor, não é candidato a nenhum cargo nas próximas eleições. Aos 73 anos, ele foi emparedado, de um lado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de outro pelo PMDB, que ele não considera mais o seu partido. De acordo com as pesquisas eleitorais em Minas Gerais, Itamar tinha mais de 50% das intenções de voto, contra cerca de 20% de seu adversário na disputa peemedebista, o ex-governador Newton Cardoso. Ao final da convenção, porém, o vencedor foi Cardoso, e não ele. Itamar não tem dúvida da razão por que isso aconteceu: Newton Cardoso aliou-se ao presidente Lula, de quem se considera “velho companheiro de botequim”, e ao PT. Itamar manifestou preferência por apoiar a reeleição do governador Aécio Neves e o PSDB de Geraldo Alckmin. Por isso, a rasteira. Itamar Franco está ressentido. Mas mantém-se lúcido em relação ao Brasil de hoje. Herdeiro do governo do único presidente deposto por corrupção num processo de impeachment, Itamar Franco disse a ISTOÉ, em entrevista concedida em Belo Horizonte na quarta-feira 5, que o Brasil vive hoje uma era nunca vista de total desrespeito à ética.

ISTOÉ – Em 2002, seu apoio ao candidato Lula foi a garantia que ele precisava para entrar no Estado de Minas. Por que o sr. resolveu não apoiá-lo novamente?
Itamar Franco

De fato, fui o primeiro governador de Estado a apoiar a candidatura de Lula. Esperava a vinda de uma era de esperança, de renovação, de retomada do crescimento no País, de avanços socioeconômicos, da ética na política, da erradicação do desemprego. Havia, enfim, uma grande corrente de entusiasmo da população por novos tempos. Em Minas Gerais, demos a nossa grande colaboração, chegamos a gravar mensagens. Hoje, sente-se um povo abalado com o quadro que lhe foi oferecido. Quanto ao meu apoio ao presidente Lula nessa reeleição, fui surpreendido com a sua atitude. Ele é que dispensou nosso voto, antes mesmo que terminássemos nossas articulações. Ele veio a Minas despudoradamente negociar uma candidatura contrária à nossa. É o próprio candidato do PMDB (Newton Cardoso) que se jacta do apoio do Planalto pela imprensa.

ISTOÉ – O sr. se tornou presidente em conseqüência do processo de impeachment que tirou Fernando Collor do poder. O que fez Collor foi menor grave do que faz agora Lula?
Itamar Franco

Não vou me referir ao governo que sucedi, cujos atos já foram demasiadamente avaliados e julgados. Quanto aos fatos ocorridos no atual governo, devo dizer que em toda a minha vida nunca assisti a tanto desmando e a tanto desprezo à ética e ao bem público quanto no governo Lula. Concordo com o que disse o general Gilberto Barbosa de Figueiredo, que vivemos em uma época em que a corrupção, dentro dos próprios Poderes da República, é dissimulada sob as justificativas mais inconsistentes.

ISTOÉ – Foi em seu governo que se criou o Plano Real e se iniciou a estabilidade econômica do País ? estabilidade que agora o governo Lula utiliza como bandeira. Na sua avaliação, o governo administra bem a economia?
Itamar Franco

Na verdade, a procura da estabilidade começou em setembro de 1992, com os ministros Paulo Haddad, Gustavo Krause e Eliseu Resende. Posteriormente, com o então presidente Fernando Henrique, Rubens Ricúpero, o “sacerdote do Plano”, e Ciro Gomes, entre outros. Com alterações na condução do Plano Real durante esses 12 anos, chegou-se à situação atual. Há muito a ser feito a fim de que se alcance o índice de crescimento que atingimos em meu governo. A atual política econômica gera como conseqüência a queda dos níveis de emprego e a crescente diminuição do nosso setor produtivo. Hoje vivemos situações tão anômalas quanto inacreditáveis. Vemos indústrias brasileiras produzindo na China em busca de menores custos. Uma importação desenfreada e sem controle e uma exportação altamente comprometida pela política cambial. É tão absurdo que quem mais ataca a política de juros adotada é o próprio vice-presidente da República.

ISTOÉ – Há quem diga que o tucano Geraldo Alckmin foi lançado para perder, num processo para guardar lugar para o governador Aécio Neves em 2010. O sr. acha esse plano possível?
Itamar Franco

Em primeiro lugar, há que se respeitar a integridade moral e a personalidade do governador Geraldo Alckmin, que jamais concordaria com um projeto dessa natureza. Quanto ao governador Aécio, haverá uma natural condução de seu projeto para 2010. Com o seu trabalho à frente do governo de Minas, mostrará ao Brasil que chegou a hora de um novo pacto federativo e, sobretudo, que o social não é um subproduto do crescimento econômico. Lembro a frase dos estudantes em Paris em maio de 1968: “Para nós, não basta mudar de vida; é preciso mudar de vida.”

ISTOÉ – Qual a sua avaliação do atual momento do PMDB, que abre mão de uma candidatura própria para facilitar acordos estaduais?
Itamar Franco

Infelizmente, o nosso PMDB, desde a candidatura do doutor Ulysses (Ulysses Guimarães), perdeu a dimensão de sua potencialidade. É o partido de maior capilaridade no País, mas prefere se comportar como uma federação. Em cada Estado, tem uma visão. Existe uma real disparidade de pensamento no seu seio. O PMDB caminha a passos céleres para a sua destruição. Já não existe mais a convicção ideológica e doutrinária do partido. As decisões são tomadas ao sabor de interesses pessoais e de grupos. Para as próximas eleições, se fizermos uma avaliação das coligações estaduais, veremos um verdadeiro caleidoscópio em que os acordos são inacreditáveis, unindo as correntes mais antagônicas, mas sempre movidas a calculadora. Não há debate, imagino o que será na campanha política. A sorte deles é que os comícios já não são mais freqüentes – se o fossem, eles não teriam o que falar. Não há como compatibilizar o comportamento das diversas correntes coligadas. Por isso, não há como unir o partido em torno de uma candidatura própria, porque os olhos não estão voltados para o alto e para a frente, e sim para o próprio umbigo.

ISTOÉ – Como explicar o fato de o sr. apresentar uma pesquisa eleitoral em que seu nome tem 64% das preferências e ser derrotado na convenção partidária por quem teve menos de 22%?
Itamar Franco

No dia 29 de junho, foram aprovadas as chapas de deputados estaduais e federais. Definimos o nome do candidato ao Senado e aprovamos uma delegação à Comissão Executiva para formar coligação. Não tínhamos o menor conhecimento de que já estavam firmados acordos com o PT. A Comissão Executiva indicou o nome do peemedebista Zaire Rezende para o cargo de vice-governador na chapa do PT, sem que isso tivesse sido tratado na convenção. Foi nesse contexto que fui derrotado.

ISTOÉ – Ou seja, o sr. levou uma rasteira de seu próprio partido?
Itamar Franco

Sou obrigado a dar a mão à palmatória por permitir que o meu sentido ideológico prevalecesse sobre a razão. Confiei mais uma vez nesse partido por tê-lo no coração, já que fui um de seus fundadores. Confiei na palavra de quem na verdade pretendia usar apenas meu nome para seus interesses pessoais. Tivesse eu aceito os vários convites dos mais diferentes partidos no Estado para integrar suas fileiras, estaria com minha candidatura registrada sem ter que me sujeitar a tais manobras e traições. Imagino o sofrimento que teriam os idealistas que lutaram pelo fortalecimento do MDB e do próprio PMDB se aqui estivessem assistindo a essa derrocada ética da agremiação.

ISTOÉ – O que fazer para que fatos como esse não aconteçam?
Itamar Franco

A reforma política é uma necessidade. Mas há que se ver o que pretendem reformar. Quando se ouvem as palavras dos dirigentes partidários e dos próprios parlamentares, infelizmente elas vêm sempre alicerçadas em interesses não confessáveis. Por trás estão sempre os seus interesses específicos. Quando propõem determinada fórmula para a modernização do sistema, antes já fizeram as contas nas calculadoras para ver se os resultados lhes atendem. Diante disso, há que se permitir que não se impeça o cidadão investido de seus direitos políticos de se candidatar a qualquer cargo, principalmente tendo ampla densidade eleitoral, como ocorre nos Estados Unidos, na Inglaterra, França, Argentina, em Portugal, no Egito e tantos outros, através da candidatura independente.

ISTOÉ – Como se deu a interferência do Planalto?
Itamar Franco

O presidente Lula, na véspera da convenção, veio a Contagem para um evento e fez campanha direta pela coligação do PT com o PMDB e pela aprovação de outro nome, que não o meu, para o Senado. Tudo isso pela busca obstinada do tempo da televisão do nosso partido. Na convenção, surpreendentemente, adentrou no plenário o senhor José Alencar, vice-presidente da República, e foi exatamente nessa condição que lá compareceu. E, pedindo a palavra, exortou o partido a se coligar com o PT. Diz a imprensa que se tratava de um “dever da casa” encomendado pelo presidente Lula. Não é possível que os mais altos dignatários do País interfiram dessa forma na escolha de uma agremiação à qual não pertencem. Nem mesmo invoco a decepção pessoal, já que a gratidão é algo que não pode e não deve ser cobrada. Talvez, para atingirem seus objetivos, não meçam meios e aceitem qualquer condicionante.

ISTOÉ – O sr. não acha que pode ter sido uma ação de defesa do governo, uma vez que o sr. já havia manifestado publicamente a sua preferência por Aécio Neves?
Itamar Franco

Eu tenho que rememorar que quando eu estava em Roma, recebi a visita da bancada estadual e também do presidente regional do PMDB. Eles
foram me convidar a permanecer no partido. Prometeram que eu teria a indicação para qualquer cargo, à minha escolha. Disse-lhes, então, que tinha a única pretensão de me candidatar ao Senado. Em alguns momentos, pediram que eu dispusesse meu nome para a Presidência da República, algo que sempre recusei.
A minha proposta já era apoiar Aécio Neves, porque entendo que o nosso crescimento estaria diretamente relacionado com essa direção. Portanto, não houve nenhuma novidade ou surpresa no meu posicionamento. O tempo demonstrará que essa coligação fisiológica em nada contribuirá, seja para o PT, seja para o PMDB, partidos com perfis completamente conflitantes. Mas isso não constitui nenhuma preocupação em seus dirigentes, já que foram norteados pela calculadora. Um, interessado nas vagas proporcionais, e o outro, no tempo de televisão. Satisfeitos tais objetivos, ponto final.

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.