Copa 2010

Copa além da conta

A África do Sul gasta o dobro do previsto com estádios, um alerta para o Brasil, o próximo anfitrião

Copa além da conta

chamada.jpg
CAROS
O Green Point, o Mandela Bay (abaixo) e o Mabhida
(última foto) estouraram o orçamento

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

selo.jpg

Sabe-se que tão monumental quanto um evento da envergadura de uma Copa do Mundo é o seu orçamento. A construção de estádios demanda uma montanha de dinheiro. Mesmo assim, a previsão de que o Brasil irá gastar cerca de R$ 5,3 bilhões para realizar o torneio mundial de 2014 deixou muita gente surpresa. E agora há mais um motivo para isso: para organizar a Copa de 2010, os sulafricanos partiram de um cálculo orçamentário de R$ 2,1 bilhões e chegam à reta final desembolsando quase o dobro, cerca de R$ 4,1 bilhões. Ou seja, mesmo com um sobrepreço absurdo, a conta africana ainda é mais barata que a previsão inicial da brasileira. Como aqui estourar o orçamento é uma triste tradição, o temor é de que o custo total seja estratosférico – e, em grande parte, financiado pelos cofres públicos. “A falta de orçamentos detalhados e de discussões públicas com técnicos pode fazer com que o processo da Copa 2014 não seja eticamente correto”, adverte Marcos Túlio de Melo, presidente do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea), entidade que está lançando um movimento anticorrupção na área de atuação de engenheiros e arquitetos.

img1.jpg

Existem algumas explicações para a diferença de valores entre os dois eventos. Para começar, na África do Sul foram construídos ou reformados oito estádios, enquanto no Brasil serão 12. Além disso, aqui há custos maiores, como o de mão de obra. Enquanto um operário sul-africano ganha salário de R$ 450 (com horas extras), o ordenado médio dos trabalhadores brasileiros em um dos estádios da Copa 2014 será de R$ 2.730. “Aqui o orçamento inclui obras de infraestrutura e lá não”, defende Vicente Castro Mello, arquiteto que desenvolveu o projeto do Estádio Nacional de Brasília e diretor do Sindicato Nacional da Arquitetura e da Engenharia.

img2.jpg

Entre os pontos favoráveis aos construtores nacionais está o preço  mais em conta de matérias-primas como aço e concreto, abundantes no nosso mercado. O orçamento brasileiro surpreendeu consultorias como a Crowe Horwath RCS, que emitiu parecer considerando o valor muito alto. O “custo médio por assento” (total de cada estádio dividido pelo número de lugares) da Copa 2014 é de R$ 7.514, mais caro que o gasto na Alemanha (R$ 5.632). O mais alto “custo médio por assento” é do Vivaldão, do Amazonas – R$ 12.716. Segundo a consultoria, assim dificilmente os investimentos serão recuperados. “Quem financia esse gasto é o governo”, diz o presidente do Confea. “E quem paga a conta deve fiscalizar a execução dos projetos.” O recado está dado.

img.jpg

 

 

 

patrocinio.jpg

 

Veja também

+ Ford anuncia local e investimento de US$ 700 milhões em fábrica que criará F-150 elétrico

+ RJ: tráfico promete caçar quem gravou equipe do Bravo da Rocinha: ‘Vai morrer’

+ Hubble mostra nova imagem de Júpiter e sua lua Europa

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea