Cultura

Super-herói do passado

O filme de aventura "Fúria de Titãs" injeta modernidade na mitologia e abre um novo horizonte para o cinema americano

Super-herói do passado

 Titans_site.jpg

Assista ao trailer do fime “Fúria de Titãs”, que estreia este mês no Brasil

 

chamada.jpg
SEMIDEUS
Sam Worthington encarna Perseu no filme “Fúria de Titãs”. O personagem
é filho de Zeus com uma mortal e combate o mal como todo super-herói

Super-heróis com máscaras e malhas colantes são coisa recente. Nas narrativas da mitologia grega, os semideuses, nascidos do amor de uma divindade por um humano, usavam no máximo um saiote, um par de botas e uma bela armadura. No entanto, com seus superpoderes arcaicos fulminavam vilões mais horripilantes que os enfrentados pelos heróis dos quadrinhos atuais.

img1.jpg
VISÕES DO MAL
Perseu enfrenta Medusa

Na falta de personagens do porte de Super-Homem ou Batman, os cineastas americanos começam a recorrer à “legião da justiça e da honra” das narrativas clássicas para alimentar a incessante produção de filmes de ação. Tomese, por exemplo, Perseu, protagonista do blockbuster “Fúria de Titãs”, que estreia este mês no Brasil, depois de arrasar nas bilheterias americanas, somando US$ 150 milhões de faturamento em três semanas de exibição. Filho de Zeus, deus do céu e do trovão, o jovem pescador vivido por Sam Worthington, o atual galã de Hollywood, é tão ágil nos saltos e nos golpes de espada que foi o único humano a enfrentar com sucesso e, ao final, arrancar a cabeça de Medusa – mulher monstruosa com cabelos de serpente, que transformava em pedra todo mortal atravessado pelo seu olhar. A luta entre Perseu e Medusa se dá diante do inferno, que fica subitamente decorado com uma sucessão de soldados transformados em estátuas ao estilo de Fídias, maior escultor grego. É um espetáculo visual apropriado ao cinema de efeitos de hoje, o que já levou os estúdios a anunciarem mais uma aventura parecida: “Jasão e os Argonautas”, centrado em outro “super-herói” da Grécia antiga.

img2.jpg
Hades, o deus das profundezas:
festival de efeitos

A atual investida nos musculosos de bota e saiote teve início com “Gladiador” e se prolongou com “Troia”, “Alexandre” e “300”. A diferença é que, nessas produções, os protagonistas eram apenas guerreiros ou exímios lutadores. Agora, são semideuses com direito a armas mágicas, como a espada presenteada por Zeus a Perseu. Ao invadir o território dos mitos, enredos como o de “Fúria de Titãs” ganham lances fantasiosos que faltavam às produções anteriores, mais realistas e históricas. E essa mudança não está acontecendo por acaso. O grande modelo dessas narrativas parece ser a trilogia “O Senhor dos Anéis”, cuja bilheteria beira os US$ 3 bilhões. Esse tipo de enredo não apenas favorece como pede os envolventes efeitos digitais tão ao gosto das plateias atuais. Seu clímax, inclusive, é o embate entre Perseu e um monstro marinho do tamanho de uma ilha, que sai das profundezas do oceano disposto a destruir a cidade de Argos, onde se passa a ação. E, mais uma vez, Perseu vai mostrar que não é filho de Zeus por acaso.

Só não vale procurar erros nessa aventura kitsch apropriada para uma sessão da tarde. O primeiro deles é mostrar Zeus seduzindo a mãe de Perseu na forma de uma águia. Na mitologia, ele aparece como poeira de ouro. Já o cavalo alado de Perseu, Pégaso, agora é preto – e também um presente de Zeus. Segundo a lenda, ele teria nascido do sangue de Medusa. Para aumentar a lista de infidelidades, o sangue visto no filme é negro. Esse detalhe pelo menos tem uma explicação. Os produtores decidiram escurecer o ketchup porque muito líquido vermelho faria o filme ganhar indicação para maiores de 13 anos. E isso significa um fracasso para um blockbuster. 

img.jpg