Artes Visuais

O Fio Vermelho

Antonio Dias mostra na Suíça a sua arte de resistência produzida nos anos 60 e 70

O Fio Vermelho

principal.jpg
AUTORRETRATO Antonio Dias faz apologia de King Kong no super-8 "Um Retrato Público"

 

No dia da abertura da exposição "Anywhere is My Land", na Daros- Latinamerica, em Zurique, o artista brasileiro Antonio Dias foi despertado com uma grande reportagem publicada em um jornal local, intitulada Pornografia e Política. O artista, que em meados dos anos 1960, em plena ditadura militar no Brasil, articulava temas como sexo e morte, libido e violência, em um trabalho de resistência, tem agora a sua obra política em exibição até fevereiro de 2010 na instituição suíça. "A exposição apresenta esses dois aspectos, o da rebeldia e o da revolta. Há uma espécie de fio vermelho que une toda a produção", observa Dias.

imgs.jpg
DA HQ AO GRAFITE Influências da pichação são perceptíveis nas pinturas dos anos 60

Efetivamente, o vermelho é a cor predominante nos desenhos, pinturas, objetos e filmes que integram a mostra. Seja nos fios de sangue e fluidos que escorrem das telas, seja nas iconografias de corações, línguas e falos que pontuam as obras da fase figurativa, inspirada em histórias em quadrinhos e em arte de rua. "Reconheço referências naquele grafite popular, mais antigo. A pichação, mesmo", afirma ele. Dias sempre foi um observador dos acontecimentos de seu tempo. Mas seu "fio vermelho" não se refere apenas aos anos de chumbo e tropicalismo da vida brasileira. Ele saiu cedo do Brasil, aos 22 anos, quando ganhou um prêmio na Bienal de Paris. Desde então, viveu como nômade, dividindo-se e entre Milão, Colônia e Rio de Janeiro – com uma temporada na Índia e no Nepal, pesquisando técnicas de fabricação de papel. Desse estilo de vida e da diversidade de sua produção artística vem o título da mostra "Any- where is My Land".

O Rio dos anos 60 está registrado em momentos contundentes como "Para a Polícia", escultura em bronze que representa três pedras com placas de identificação de metal (aquelas utilizadas pelo Exército).

img1.jpg
ARTE COMO JOGO Truques ilusionistas na instalação da série "A Ilustração da Arte"

Já a Paris da revolução estudantil de 68 está em "História", instalação composta por um compartimento de plástico com restos de "sujeira" (areia e pó), varrida das manifestações de rua. A exposição reúne ainda diversos trabalhos da série multimídia "A Ilustração da Arte" (1971-78), um "clássico" da história da arte brasileira, em que Dias destila comentários críticos e irônicos sobre a situação da arte e do artista na contemporaneidade.