Tecnologia & Meio ambiente

Paraísos biológicos

Conheça dois santuários da biodiversidade que acabam de ser declarados Patrimônio da Humanidade pela Unesco e são exemplo de consciência ambiental


A ilha colombiana de Malpelo e o Monte Siguniang de Wolong, na China, são as atuais menina-dos-olhos de biólogos e ambientalistas que lutam para manter intactas as poucas reservas ecológicas que ainda restam no planeta. Segundo o mapa elaborado pela ONG americana Conservation International, uma das mais conceituadas do mundo, a humanidade já perdeu cerca de 70% de sua vegetação original. E também gira em torno desse porcentual a extinção de diversas espécies. Diante desse dramático quadro, os especialistas correm contra o tempo para reverter a situação, numa espécie de vale-tudo contra a devastação e a morte de animais. No campo burocrático, o governo da Colômbia está criando regras cada vez mais rígidas para quem pretende pôr os pés em Malpelo. No campo do desespero, os cientistas chineses recorreram até a vídeos com imagens de animais copulando para estimular os pandas do Monte Siguniang a se reproduzirem. A luta desses dois países foi recompensada: a ilha de Malpelo e o Monte Siguniang foram coroados, na semana passada, como Patrimônio da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Localizada no oceano Pacíficio a cerca de 500 quilômetros do litoral colombiano, Malpelo vem recebendo há décadas uma série de cuidados especiais dignos de um santuário ecológico. Em uma área de 3,5 milhões de metros quadrados (o equivalente a 23 estádios do Maracanã), vive uma rica diversidade de fauna e flora e sua imponente forma rochosa, que emerge a quatro mil metros do fundo do mar, e é rodeada por mais de dez ilhotas. Tudo isso faz com que Malpelo se assemelhe a paraísos idealizados em contos infantis. Mas quem desejar conhecer o motivo definitivo que levou a Unesco a eleger esse lugar como Patrimônio da Humanidade terá de preparar o fôlego, prender a respiração e se imbuir de coragem: a aproximadamente 200 metros de profundidade, na mais plena escuridão do oceano Pacífico, lá reina o tubarão-areia, cientificamente conhecido como Odontaspis ferox. “Pode-se contar nos dedos de uma única mão os locais em que ainda se pode ver essa espécie”, relata a Unesco. Pesando 90 quilos e, obviamente, com dentes muito bem afiados, esse raro gigante alimenta-se de pequenos peixes, moluscos, enguias, caranguejos, raias, lulas, camarões e outros crustáceos. A existência na região desse diversificado cardápio atraiu muitos tubarões e tornou Malpelo um reconhecido parque marinho, capaz de abrigar populações de mais de 200 turbarões-martelo, mil cações-galhudo e algumas centenas de tubarões-baleia. Para conservar tudo isso, pesquisas científicas, turismo e até mesmo educação ambiental in loco só são permitidos com acompanhamento de monitores especializados.

Do outro lado do mundo, o excesso de cuidados não é diferente. Pesquisadores chineses provaram que, na luta contra a extinção de uma espécie, toda a excentricidade vale a pena. Está-se falando de um animal muito preguiçoso, tão preguiçoso que demora a se mexer até para fazer sexo: o panda gigante que vive na região do Monte Siguniang. Os biólogos do Centro de Pesquisa de Wolong, na província chinesa de Sichuan, beiraram à exaustão para conseguir que tais pandas tocassem os seus genes para frente. Foram usados satélites para monitorá-los e observou-se que menos de 10% dos machos criados em cativeiro sentiam estímulos para copular. Esses foram os primeiros passos. Depois disso, foi a vez da mais curiosa das experiências, a exibição de um vídeo educativo sexual para a panda-fêmea Hua Mei, criada em cativeiro. O cineminha deu tão certo que ela copulou e ficou prenhe. Finalmente, os cientistas investiram na inseminação artificial e superaram o desinteresse sexual da espécie – o sêmen utilizado foi o do panda gigante Chuang Chuang, emprestado da Tailândia. Através desse método nasceram 21 espécies em cativeiro, um recorde que deixou a China aliviada: retirou os seus desengonçados e alegres ursos da lista mundial de animais em extinção e colocou o país, através da região do Monte Siguniang, no rol de Patrimônio da Humanidade. “A partir de agora o panda estará protegido pelas leis chinesas e internacionais. Cuidaremos melhor deles para que possam viver aqui para sempre”, diz o vice-governador de Sichuan, Wang Huaizheng. Assim, tanto a Colômbia quanto a China vivem hoje o orgulho de servirem de exemplo para um mundo que sofre com o descaso ambiental. “Esse reconhecimento da Unesco reforça a auto-estima desses países e desperta o amor pela conservação da natureza. Deveríamos lembrar todos os dias: nós só cuidamos daquilo que amamos”, diz Haroldo Castro, diretor da Conservation International.

Veja também
+ Joice Hasselmann aparece com fraturas e diz acreditar ter sido vítima de ‘atentado’
+ Pintor é expulso de rodízio por comer 15 pratos de massa; assista
+ ‘Transo 15 vezes na semana’, diz Eduardo Costa ao revelar tratamento por vício em sexo
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago