A revista Exame, em parceria com o instituto Idea, especializado em pesquisa de opinião pública, divulgou dados de uma pesquisa produzida com 1.252 pessoas entre os dias 7 e 10 de junho. Nela, 61% dos entrevistados disseram ser contra a realização da Copa América no Brasil. 24% disseram ser favoráveis ao torneio. Já 16% não souberam responder.

A competição que seria na Argentina e na Colômbia foi mudada para o Brasil após uma articulação entre a Conmebol, a CBF – até então comandada por Rogério Caboclo, afastado de suas funções após denúncia de assédio, e o presidente do Brasil Jair Bolsonaro.

+ Bolsonaro defende uso de hidroxicloroquina durante entrega de casas

+ Após divergência com o Flamengo, Gabigol se apresenta à Seleção Brasileira para a Copa América

+ Movimento #ForçaAranha ganha apoio após internação de ex-goleiro por covid-19

Segundo Maurício Moura, fundador do ‘Ideia’, essa relação com o presidente alimentou um viés político, que aumentou a desaprovação do torneio, já que Bolsonaro não estaria sendo bem avaliado em sua gestão durante a pandemia e a competição seria vista como algo desnecessário em um momento que o país está próximo de bater 500 mil mortos por Covid-19

Assine nossa newsletter:

Inscreva-se nas nossas newsletters e receba as principais notícias do dia em seu e-mail

– Quem é contrário à Copa no Brasil tem uma correlação com a desaprovação do governo. Quanto maior o grau de discordância em relação aos jogos, maior é a rejeição ao presidente Jair Bolsonaro. Isso mostra um viés político, ou pelo menos de avaliação de governo, em relação ao tema. A maioria da população não vê benefício na Copa América – disse Maurício.

Entre os homens, 54% não concordam com a realização da Copa América no Brasil. Já entre as mulheres, este número sobe para 67%. Na região Norte, 42% avaliam que o país não deve sediar o evento. Na região Centro-Oeste, que vai receber jogos, o sentimento contrário é preponderante para 57%.

Apesar de todas as partidas serem sem público nos estádios, muitos brasileiros se preocupam com aglomerações que podem ocorrer em bares, restaurantes, ou mesmo nas ruas. Para 75%, a disputa pode levar a um agravamento da situação da pandemia de covid-19 no Brasil.


Siga a IstoÉ no Google News e receba alertas sobre as principais notícias