Brasil

Desemprego no país em janeiro é o menor desde 1998

Taxa ficou em 12,6%, segundo o DIEESE, que analisou seis regiões metropolitanas

Segundo dados divulgados hoje pela Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) e pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), a taxa de desemprego no total de seis regiões metropolitanas do País (Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Salvador, São Paulo e Distrito Federal) ficou em 12,6% no primeiro mês de 2010. Esta é a menor taxa para meses de janeiro desde 1998, quando começou a série histórica. O desemprego estava em 12,5% em dezembro de 2009 e 13,2% em janeiro de 2009.

Já o contingente de desempregados nas seis regiões metropolitanas foi estimado em 2,528 milhões de pessoas em janeiro – 4 mil a menos que o registrado em dezembro de 2009. O rendimento médio real dos ocupados nas seis regiões aumentou 1,2% em dezembro ante novembro, passando a R$ 1.251,00. Em relação a dezembro de 2008, houve alta de 1,8%. A massa de rendimentos dos ocupados aumentou 2,1% em dezembro ante novembro e 2,9% na comparação com dezembro de 2008.

Copyright © 2010 Agência Estado. Todos os direitos reservados.

Veja também

+ Toyota Corolla Cross é SUV do Corolla para brigar com Jeep Compass e cia; confira imagens oficias
+ Robert De Niro reduz limite do cartão da ex-mulher e diz que coronavírus implodiu suas finanças
+ Maria Zilda relembra como soube que Ary Fontoura era gay: “A coisa mais incrível que já ouvi”
+ Rafa Kalimann ensina receita de palha italiana; veja o vídeo
+ Juliana Caetano, do Bonde do Forró, fala sobre proposta de 500 mil reais que recebeu
+ MasterChef estreia sem "supercampeão" e cheio de mudanças
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ Coronel da PM diz que Bolsonaro é ‘falastrão’ e renuncia à entidade de Oficiais
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior