Saúde da mulher

5 práticas simples que podem evitar um ataque cardíaco

Crédito: Freepik

Doenças cardíacas não são mais “exclusividade” do envelhecimento, por isso, cuidar da saúde do coração precisa ser um hábito diário praticado desde a juventude. Em 2019, um estudo publicado pela British Heart Foundation descobriu que o número de mortes por problemas cardíacos aumentou entre as pessoas menores de 75 anos. O resultado é um alerta ao estilo de vida sedentário e as crescentes taxas de obesidade e diabetes entre os jovens.

+ Vinho tinto é uma boa opção para o coração? Entenda e saiba como consumir

+ Tudo o que você precisa saber sobre a menopausa

“Estamos falando de adultos com menos de 65 anos, em idade produtiva, morrendo de doenças cardíacas. Antigamente, isso era coisa de idosos, principalmente homens. Atualmente, como o estudo mostra, os mais jovens, incluindo mulheres, estão em risco”, enfatiza Ashleigh Li, enfermeira cardíaca, em entrevista ao jornal “The Telegraph”.

Cuidar do coração não é uma tarefa complicada, algumas práticas simples e diárias podem ser o suficiente para potencializar a saúde cardíaca; veja cinco delas a seguir. As informações são do “The Telegraph”.

Subir escadas

Uma pesquisa realizada em maio deste ano pela Universidade McMaster, no Canadá, descobriu que subir 18 degraus pode trazer os mesmos benefícios para o coração que uma aula de aeróbica de 45 minutos. “É uma opção segura, eficiente e viável para a reabilitação cardíaca”, explica a professora Maureen MacDonald, uma das autoras do estudo.

Em 2015, outro benefício da atividade física foi apresentado em um artigo da Experimental Physiology. Segundo a publicação, mesmo caminhadas mais curtas podem reverter a disfunção vascular, como redução do fluxo sanguíneo e aumento do estresse nas paredes das artérias, causados por longos períodos sentadas.

Comer bem

A alimentação é sempre a maior aliada à saúde. Estudos indicam que alguns alimentos específicos podem contribuir para a saúde cardíaca, como azeite de oliva, peixes oleosos, frutas vermelhas e uvas, vegetais, grãos integrais, laticínios (com moderação), carne magra (em baixa quantidade), aspargos, legumes e linhaça.

Ter amigos

“Na última década, muitas evidências mostraram que um dos fatores mais importantes para a saúde e o risco de morrer é ter uma boa rede de amigos”, destaca o psicólogo Robin Dunbar, da Universidade de Oxford.

Em 2018, um estudo publicado na revista “Heart”, descobriu que pessoas solitárias, sem amizade ou rede de apoio, têm maior probabilidade de ter um ataque cardíaco ou derrame, além de maior risco de morrer de doenças do coração.

Diminuir o consumo do álcool

O consumo excessivo de álcool favorece o risco de doença hepática e aumenta a pressão arterial. Para quem tem o hábito de consumir, os especialistas recomendam não tomar mais do que duas doses diariamente e indicam ficar, pelo menos, dois dias na semana sem bebidas alcoólicas.

Consultar um cardiologista

Consultar um médico cardiologista é a melhor opção para evitar problemas, principalmente a partir dos 40 anos. Através de exames, o profissional verificará seu peso, pressão arterial, níveis de colesterol para identificar se existem sinais de problemas renais, hepáticos e diabetes, fatores que contribuem para as doenças cardíacas.



Saiba mais
+ Mãe de Medina compara Yasmin Brunet a ‘atriz pornô’ e colunista divulga conversa
+ Chamada de atriz pornô, Yasmin Brunet irá processar mãe de Gabriel Medina
+ Mulher divide marido com mãe e irmã mais nova: ‘Quando não estou no clima’
+ Em pose sexy, Cleo Pires afirma: "Amando essa minha bunda grande"
+ Médicos encontram pedaço de cimento em coração de paciente durante cirurgia
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio