Economia & Negócios

Governo vai lançar programa para estimular venda de veículos em 2016, diz Fenabrave

O presidente da entidade, Alarico Assumpção, evitou dar detalhes do programa de renovação de frota, mas garantiu que não haverá subsídios por parte do governo

Governo vai lançar programa para estimular venda de veículos em 2016, diz Fenabrave

produção-veiculos.jpg

 

O governo deve anunciar ainda em janeiro a assinatura de um decreto que estimule a venda de veículos novos em 2016, afirmou há pouco o presidente da Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotivos (Fenabrave), Alarico Assumpção. "São 19 entidades do setor automotivo que estão discutindo com o governo um novo programa de renovação de frota, que deverá se chamar Programa Sustentabilidade Veicular, e o anúncio deverá ser feito no decorrer deste mês", disse. Segundo ele, há um "compromisso verbal" para a implementação desta medida.

Assumpção evitou dar mais detalhes sobre o acordo, que ainda está sendo costurado, mas garantiu que não haverá subsídios por parte do governo. "Isso não existirá, porque o governo não tem condição, não tem caixa", declarou. "O acordo deve se dar por meio de alguma taxa ou de algum seguro", acrescentou.

Segundo o presidente da Fenabrave, as discussões tiveram início há alguns meses, a pedido do próprio governo. Entre as instituições envolvidas estão entidades que representam as montadoras, os metalúrgicos e os sindicatos de trabalhadores, além da própria Fenabrave.

Venda de veículos novos cai 26,5% em 2015, maior queda desde 1987

O mercado brasileiro de veículos novos confirmou as expectativas do setor e terminou 2015 com a maior queda nas vendas desde 1987. Foram 2,569 milhões de unidades vendidas no ano passado, recuo de 26,5% em relação ao volume de 2014 (3,497 milhões), informou nesta quarta-feira, 6, a Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Com isso, o volume de vendas atingiu o menor nível desde 2008, ano marcado pela crise na economia norte-americana.

Por segmento, os emplacamentos de automóveis e comerciais leves somaram 2,476 milhões de unidades no ano passado, baixa de 25,5% sobre 2014. Entre caminhões, a queda foi de 47,6%, para 71,7 mil unidades. No caso dos ônibus, houve tombo de 36,5%. As baixas nas vendas ocorrem em um cenário de aumento do desemprego, restrição ao crédito e queda na confiança do consumidor.

Este é o terceiro ano seguido de queda nas vendas, considerando todos os segmentos analisados. Em 2014, houve recuo de 7,15% em relação ao ano anterior. Em 2013, a queda havia sido de 0,9%, a primeira baixa em dez anos.

As discussões sobre o programa ocorrem em meio à terceira retração anual seguida das vendas de veículos novos. Em 2015, foram 2,569 milhões de unidades vendidas, recuo de 26,5% em relação ao volume de 2014 (3,497 milhões), o maior tombo desde 1987. Em 2014, houve recuo de 7,15% em relação ao ano anterior. Em 2013, a queda havia sido de 0,9%, a primeira baixa em dez anos.

O setor automotivo teve seu auge em 2012, quando vendeu 3,8 milhões de unidades. À época, o mercado ainda contava com a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), medida que tornou os veículos mais baratos e estimulou o consumo.

Apesar da forte retração ao longo do ano, o setor esboçou reação nos últimos meses de 2015. Em dezembro, as vendas subiram pela segunda vez seguida, na comparação com o mês anterior. A comercialização de veículos novos alcançou 227.789 unidades em dezembro de 2015, crescimento de 16,7% em relação a novembro. Já em comparação com igual mês de 2014, houve retração de 38,4%. Os automóveis e comerciais leves, juntos, atingiram 220.656 unidades, alta de 16,6% ante novembro e queda de 37,5% sobre dezembro de 2014.

Os emplacamentos de caminhões somaram 5.577 unidades, avanço de 17,7% sobre novembro e baixa de 59,2% em relação a igual mês do ano anterior. Quanto aos ônibus, as vendas foram de 1.556 unidades em dezembro de 2015, alta de 39% ante novembro e recuo de 43,2% em comparação com dezembro do ano anterior.

Projeções. A Fenabrave também revelou as previsões inicias para 2016. As vendas de automóveis e comerciais leves devem cair 5,9% em relação a 2015, para 2,33 milhões de unidades. Os caminhões devem registrar baixa de 2,7%, para 69,8 mil unidades, e os ônibus devem ter recuo de 3,2%, para 19,6 mil unidades.

Com isso, considerando todos os segmentos, as vendas devem ter queda de 5,8%, para um total de 2,42 milhões de unidades.

O setor automotivo teve seu auge em 2012, quando vendeu 3,8 milhões de unidades. À época, o mercado ainda contava com a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), medida que tornou os veículos mais baratos e estimulou o consumo.

Veja também

+ Maria Zilda relembra como soube que Ary Fontoura era gay: “A coisa mais incrível que já ouvi”
+ Toyota Corolla Cross é SUV do Corolla para brigar com Jeep Compass e cia; confira imagens oficias
+ Robert De Niro reduz limite do cartão da ex-mulher e diz que coronavírus implodiu suas finanças
+ MasterChef estreia sem "supercampeão" e cheio de mudanças
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ Coronel da PM diz que Bolsonaro é ‘falastrão’ e renuncia à entidade de Oficiais
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior