Alexandrino de Alencar, ex-executivo da Odebrecht preso por quatro meses na 14a fase da operação Lava Jato e libertado há cerca de um mês, tem confidenciado a amigos que, em seus depoimentos na prisão, propôs contar tudo o que sabia sobre as relações da companhia com os governos brasileiros ao longo de mais de 20 anos como funcionário de carreira do grupo. “Mas, não se interessaram em saber tudo. Só quiseram informações dos últimos 12 anos”, assim Alexandrino tem dito.

GENTE-03-IE.jpg

 


Siga a IstoÉ no Google News e receba alertas sobre as principais notícias