Economia & Negócios

Dólar bate R$ 3,40 em meio a preocupações com o Brasil

Após alcançar a maior cotação em 12 anos, moeda acelerou alta ainda durante a manhã

Dólar bate R$ 3,40 em meio a preocupações com o Brasil

dolar__Agência-Brasil_483x303.jpg

 

O dólar atingiu novas máximas e chegou a ser cotada a R$ 3,43 após a agência de classificação de risco Standard & Poor’s (S&P) sinalizar que pode cortar o grau de investimento do Brasil em breve. A moeda americana subiu mais de 2% logo após o anúncio, mas já devolveu parte dos ganhos e era negociada a R$ 3,414 (+1,58%) às 14 horas. A agência manteve o rating em BBB-, mas revisou a perspectiva de estável para negativa. A nota da agência representa apenas um degrau acima do grau especulativo.

Depois de voltar a alcançar a maior cotação dos últimos 12 anos ante o real (R$ 3,3610), o dólar iniciou a sessão em queda. Entretanto, a moeda voltou a subir ainda durante a manhã, em meio a preocupações com o cenário político e econômico no País. Às 12h10, o dólar subia 1,31%, cotado a R$ 3,405, na máxima do dia.

Entretanto, analistas avaliam que a alta dos juros nos Estados Unidos pode demorar mais do que muitos preveem por conta das dificuldades da China, o que causaria uma pressão menor do dólar em relação ao real.

No mercado de câmbio, a sinalização do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, de que o governo não estuda usar recursos de reservas internacionais para tentar controlar o câmbio pode provocar uma diminuição da especulação sobre a moeda americana, na opinião de outro operador ouvido pelo Broadcast, serviço de informações da Agência Estado.

Segundo Barbosa, as reservas – estimadas atualmente em US$ 360 bilhões – dão mais autonomia para o País na condução da política econômica, não tendo que recorrer a organismos internacionais.

Com perdas menores, bolsa de Xangai volta a fechar em queda
As bolsas chinesas tiveram baixa pelo terceiro pregão consecutivo nesta terça-feira, 28, tomadas por uma segunda onda de liquidação neste mês que gera especulação sobre quais medidas de estímulo adicionais Pequim poderá lançar para tentar reverter a situação. As perdas do fechamento na China, porém, foram bem menores do que as vistas ao longo do dia, o que abriu espaço para outros mercados menores da Ásia ensaiar uma recuperação.

O Xangai Composto, principal índice acionário da China continental, recuou 1,7%, a 3.663,00 pontos, após uma sessão de forte volatilidade em que chegou a cair até 5% e a subir até 1%. Desde sexta-feira, o Xangai teve perdas de 11%, ampliando para quase 30% a desvalorização acumulada desde o pico atingido em meados de junho. O Shenzhen Composto, de abrangência menor, encerrou o dia com queda de 2,2%, a 2.111,70 pontos, depois de chegar a recuar mais de 6% ao longo do pregão.

LEIA MAIS
China abre investigação sobre forte queda nos mercados acionários
 

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel