Cultura

Sedução à italiana

Com Malena, Giuseppe Tornatore faz fábula sobre a beleza e o desabrochar da sexualidade

Desde que ganhou o Oscar de melhor filme em língua estrangeira de 1990 por Cinema paradiso, o cineasta italiano Giuseppe Tornatore se tornou sinônimo de fitas sentimentais. Ele não faz nenhum esforço para evitar a fama e sim para reforçá-la. Continua mestre em construir histórias comoventes, quase sempre emolduradas por belas paisagens da Itália. Desta vez, escolheu a cidade siciliana de Siracusa para ser Castelcuto, vilarejo imaginário que testemunha a paixão platônica de um garoto de 13 anos, Renato Amoroso (Giuseppe Sulfaro), pela estonteante morena Malena Scordia (Monica Bellucci), personagem título de Malena (Malèna, Itália/Estados Unidos, 2000), cartaz nacional na sexta-feira 9.

Em Malena, Tornatore se debruça sobre um tema supostamente batido — o desabrochar da sexualidade adolescente e todos os percalços inerentes —, mas vence os clichês inevitáveis fazendo uma fábula sobre a beleza. É pelos olhos ainda atormentados do jovem Renato que o diretor coloca o espectador no papel de voyeur privilegiado, revelando os inebriantes dotes físicos de Malena. Assim, explodem na tela closes de seus seios escapando do decote ou das coxas bem torneadas insinuando-se num rápido erguer de saia. Tamanha beleza, porém, catalisa desejos reprimidos, inveja e ressentimentos. Sempre sob a vigilância de Renato, a bela torna-se refém do próprio esplendor e acaba cumprindo um doloroso rito de passagem. Tudo acontece numa Itália sob a mira dos bombardeios dos aliados na Segunda Guerra Mundial, época em que preconceitos e rancores estão mais aflorados e fazem a tragédia pessoal se avolumar diante da câmera.

Tornatore é um cineasta hábil não apenas para engrandecer pequenas histórias. Sabe como poucos despertar boas interpretações de atores iniciantes. Giuseppe Sulfaro nunca havia atuado até sua tia enviar uma foto dele aos produtores do filme. Sai-se bem ao viver o descontrole emocional que só as grandes e imberbes paixões podem provocar. A ex-modelo Monica Bellucci caiu nas graças de Tornatore quando ele dirigia um comercial da grife Dolce & Gabbana. Em breve, ela estará novamente nas telas contracenando com os veteranos Gene Hackman e Morgan Freeman no thriller A sombra de uma suspeita. Também interpretará Cleópatra no próximo Astérix & Obélix: mission Cléopatre. Mas dificilmente voltará a ter tratamento tão generoso acompanhada da fotografia de Lajos Koltai — indicado ao Oscar — e da música de Ennio Morricone, outro indicado. Profissionais que tornaram a visão de Monica Bellucci ainda mais inesquecível.