O tratado que a igreja quer

A visita do papa Bento XVI deixou no ar um temor que nem a ênfase do presidente Lula no caráter laico do Estado brasileiro dissipou


A visita do papa Bento XVI deixou no ar um temor que nem a ênfase do presidente Lula no caráter laico do Estado brasileiro dissipou: a possibilidade de o Brasil assinar um tratado com o Vaticano reconhecendo certos direitos especiais à Igreja Católica no País. A concordata, como é chamado esse tratado, introduziria o ensino religioso nas escolas públicas, isenção fiscal para a Igreja e facilidades para missionários em terras indígenas, entre outras coisas. Pior, contudo, seria uma possível interdição do debate público de temas que compõem o índex do catolicismo, como aborto, eutanásia e pesquisas em células-tronco. A rejeição pelo Itamaraty da proposta inicial da Igreja não Domingos de Oliveira Cláudio Camargo poucas palavras: o produtor independente que não quiser cair nas restrições criativas do mercado faz o filme com recursos próprios e o apresenta ao Ministério. Se a obra, já pronta, for considerada útil, o Ministério patrocina as despesas de produção e a distribuição do filme. Essa idéia simples e óbvia tem inimigos ferrenhos entre os produtores e no governo, por interesses que resultam num divórcio filme & platéia, ou seja, é preciso agradar ao patrocinador e não ao público. Pode o leitor perguntar como um produtor independente – e portanto, pobre – poderá fazer um filme com recursos próprios? É simples. O investimento cash de um filme pode ser muito baixo, ou mesmo nenhum. Se o produtor associar tudo e todos, seu filme terá custo zero. O custo cash de um filme depende diretamente da credibilidade do seu responsável. Enfim, é grande a esperança de que esse segundo governo Lula consiga traçar políticas mais inteligentes para o cinema e todas as outras atividades, que ouça a classe, que aprenda com quem vive o problema. Que não tenha medo de mudar. Gastar o dinheiro público é uma tarefa de responsabilidade e deve ser exercida com criatividade e delicadeza. encerra a questão, porque o governo elaborou uma contra-proposta cujo conteúdo até agora não veio a público.

Concordatas foram tentativas da Santa Sé de preservar privilégios em Estados que se tornaram laicos ou autoritários. No Tratado de Latrão, de 1929, a Itália fascista reconheceu o Estado do Vaticano, pondo fim ao isolamento da Igreja com a unificação italiana de 1870. O ensino religioso se tornou obrigatório e o divórcio foi proibido. Em 1933, o III Reich assinou com o Vaticano um acordo costurado pelo cardeal Eugênio Pacelli, futuro papa Pio XII. Neste, a Igreja sacrificou no altar de seus interesses o partido católico alemão Centro Popular. E em 1940, Salazar e o papado sepultaram as veleidades secularistas da República de 1910.

Uma concordata no Brasil seria um retrocesso. Fere o conceito de cidadania ao supor que um grupo religioso, sendo majoritário no País, possa impor seus valores e sua agenda à toda a sociedade, além de colocar a Igreja Católica acima da lei. Entre outras coisas, um acordo desse tipo permitiria à instituição tirar do alcance da Justiça, por exemplo, escândalos como o da pedofilia. Se todos são iguais perante Deus, porque seriam diferentes perante a lei?

+ Rafa Kalimann posa nua em sacada de hotel, veja fotos







Mais posts

Ver mais

Copyright © 2022 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.