Medicina & Bem-estar

Efeito Inesperado

Estudo revela que ex-fumantes têm maiores chances de desenvolver diabetes tipo 2

Efeito Inesperado

chamda.jpg
PRECAUÇÃO
Quem abandona o cigarro deve controlar o peso para evitar a doença

Parar de fumar melhora o placar contra muitas doenças, especialmente males como infarto, derrame, problemas respiratórios e alguns tumores. Mas o que os médicos não sabiam é que o abandono do vício eleva, a curto prazo, o risco de ter diabetes tipo 2. Foi o que revelou um trabalho recém-divulgado por cientistas de duas universidades americanas, Johns Hopkins e North Carolina, e da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre. Após observar 10,8 mil pessoas por 17 anos, os especialistas concluíram que aquelas que deixam de fumar têm até 70% mais chance de desenvolver a doença do que as que nunca fumaram. É um risco que se mantém alto nos três primeiros anos de suspensão do cigarro. Depois, cai gradualmente até que, em dez anos, volta a ser igual aos riscos da população não fumante. Os especialistas relacionam o aumento da vulnerabilidade à diabetes dos ex-fumantes à quantidade de cigarros consumidos durante os anos de tabagismo e ao ganho de peso após a interrupção desse hábito. “Identificamos que as pessoas que fumavam mais de 20 cigarros por dia e aquelas que ganharam mais peso depois de parar tiveram maior risco de manifestar a doença”, afirmou à ISTOÉ a médica Hsin-Chieh Yeh, da Universidade Johns Hopkins. O levantamento mostrou que apresentaram tendência acentuada à diabetes os voluntários que ganharam em média quatro quilos e quatro centímetros de circunferência abdominal nos três anos seguintes ao abandono do vício.

img.jpg

Os dados do estudo estão publicados na edição deste mês da revista “Annals of Internal Medicine”. Para a endocrinologista Maria Teresa Zanella, coordenadora do setor de Obesidade da Universidade Federal de São Paulo, é fácil enxergar o fio condutor que liga o adeus ao tabagismo ao risco de diabetes. Enquanto a pessoa fuma, diz a médica, a nicotina estimula a produção dos hormônios adrenalina e noradrenalina. Em excesso, eles aceleram o funcionamento do organismo, aumentando, por exemplo, os batimentos cardíacos e a respiração. “Isso leva a um gasto energético maior”, diz Maria Teresa. Ao mesmo tempo, a nicotina inibe o apetite. “Quando a pessoa para de fumar, esse processo é interrompido, o gasto energético diminui e a vontade de comer cresce.” A consequência é o ganho de peso, que cria condições favoráveis à diabetes tipo 2, uma alteração do metabolismo dos açúcares do corpo que pode aparecer em qualquer fase da vida. Fora de controle, ela traz complicações renais, cardíacas e circulatórias. “O aumento de tecido gorduroso dificulta a ação da insulina, um hormônio produzido pelo pâncreas, que ajuda a colocar a glicose (o combustível do organismo) dentro das células”, explica Maria Teresa. Se o corpo não consegue produzir insulina suficiente ou não a utiliza de maneira apropriada, há o descontrole dos índices de açúcar no sangue. As constatações desse estudo, porém, não devem ser usadas como desculpa para não largar o cigarro. Afinal, os benefícios de deixar de fumar para a saúde são muito maiores do que o risco de desenvolver diabetes do tipo 2. O próprio estudo em questão aponta que os fumantes têm 30% mais predisposição à diabetes do que não fumantes. “O certo é desistir do cigarro”, diz a cientista Hsin-Chieh. Para ela, os médicos devem orientar melhor os ex-fumantes. “Além de mudanças no estilo de vida, como adotar uma dieta saudável e fazer atividade física, é importante verificar com frequência as taxas de açúcar no sangue para detectar precocemente a diabetes.”

Veja também

+ Cantora MC Venenosa morre aos 32 anos e família pede ajuda para realizar velório
+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Júpiter e Saturno vão se alinhar pela primeira vez desde a Idade Média
+ Black Friday: veja as dicas para não ser enganado
+ Juliana Caetano faz desabafo em vídeo “Isso me deixa muito mal, muito triste…”
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

Tópicos

cigarro diabetes