Gente

Bate-boca rende um Rolex

A escritora Carla Leonel foi visitar um paciente no Hospital Israelita Albert Einstein e deixou seu Rolex escondido no carro, no estacionamento.

Quando voltou, o relógio tinha sumido. Falou com os guardadores dos carros, os donos da empresa, os diretores do hospital e nada. Pior ainda: foi tratada como golpista. Magoada com tamanha falta de respeito, Carla comprou um Rolex igual ao seu, no valor de R$ 7,6 mil, e doou ao hospital. “Foi a forma que eu encontrei para protestar contra o descaso do Einstein”, disse ela. Até agora, o hospital não se manifestou.