Economia & Negócios

O Brasil em Cannes

Serpa é o primeiro brasileiro a presidir o júri do festival mundial

Reconhecido já há alguns anos pela qualidade de suas peças publicitárias, o Brasil integra o primeiro time da publicidade mundial. A coroação acontecerá de 19 a 24 de junho, quando Marcello Serpa estará presidindo o júri do mais importante evento do setor – o Festival Internacional de Cannes, na França, o “Oscar” da publicidade. Vice-presidente e diretor de criação da agência AlmapBBDO, Serpa venceu uma disputa que, nas 46 edições anteriores do festival, concentrou a escolha no eixo Estados Unidos/Europa. Ele é o primeiro latino-americano a presidir os júris das categorias Filmes e Mídia Impressa. O brasileiro que chegou mais perto até agora foi Nizan Guanaes, que em 1995 presidiu o júri de Mídia Impressa.

“O Brasil conquistou muitos prêmios internacionais nos últimos anos, mas agora nossa produção se consagrou e o País é, reconhecidamente, um pólo mundial de boa propaganda”, diz Serpa, sobre a escolha da Screen Advertising Word Association (Sawa), dona dos direitos sobre o festival e responsável pela indicação do júri. Além de Serpa, outros dois brasileiros estarão entre os 22 jurados: Eduardo Martins, da agência Click, e Marcelo Giannini, da Salles D’Arcy. A tarefa não será fácil. Cada uma das categorias tem em torno de oito mil trabalhos inscritos. Só o Brasil enviou aproximadamente 1.200 filmes e peças de mídia impressa.

Não é à toa que o mundo publicitário fica com os olhos em Cannes. “Tudo que tem de bom e de ruim em propaganda passa por lá”, explica Serpa, que aconselha seus clientes a visitarem o festival. “É interessante o cliente conhecer as soluções de outras agências para produtos semelhantes aos dele”, diz.
O Brasil costuma se destacar no festival. O próprio Marcello Serpa já conquistou 17 prêmios em Cannes. Entre outros profissionais com o troféu do Leão na estante, estão Nizan Guanaes e Washington Olivetto. A veia criativa da publicidade brasileira está conseguindo, inclusive, inverter a rota das peças publicitárias. Até bem pouco tempo atrás era comum grandes grupos empresariais veicularem no País os mesmos comerciais usados em suas nações de origem. Hoje, o Brasil exporta campanhas, como as da Pepsi, estreladas por jogadores como Roberto Carlos, Denílson e Gustavo Kuerten (o Guga), criadas pela AlmapBBDO e veiculadas no México, Europa e Oriente Médio.