Economia & Negócios

Aposentados unidos

Força cria sindicato para reunir a categoria e defende condições iguais para todos

Um congresso ocorrido na semana passada em Praia Grande, no litoral paulista, pode representar uma virada de página na luta dos aposentados brasileiros por um tratamento digno de quem trabalhou décadas a fio. O encontro reuniu mais de quatro mil pessoas, representantes de vários Estados, e marcou a fundação do Sindicato Nacional dos Aposentados da Força Sindical.

A meta da entidade é ambiciosa: reunir em dois anos um total de dois milhões de filiados, que contribuirão mensalmente para bancar as campanhas pela melhoria da Previdência Social. A primeira bandeira, por sinal, já foi decidida: será pela unificação dos sistemas previdenciários utilizados pelos trabalhadores da iniciativa privada e do setor público. “Consideramos injusto o atual sistema de previdência e queremos que todos os trabalhadores tenham as mesmas condições de aposentadoria”, diz João Carlos Juruna Gonçalves, secretário-geral da central sindical. Uma das faces da injustiça, diz Gonçalves, são os baixos rendimentos da grande maioria: do total de 16 milhões de brasileiros aposentados, quase 12 milhões recebem mensalmente um salário mínimo. E a aposentadoria máxima, no caso do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), é de apenas R$ 1,2 mil.
A segunda reivindicação será uma mudança na forma como são feitas as contribuições para bancar os gastos da Previdência. Hoje empregados participam com 8% a 11% do salário e as empresas com 20% da folha de pagamentos. A reivindicação é que a contribuição provenha de uma única fonte: de um imposto sobre o consumo, que seria criado, defende a central, com a reforma tributária. “A vantagem, neste caso, é que quem gasta mais, pagaria mais, e quem gasta menos, contribuiria menos”, avalia Gonçalves. Na terça-feira 20, representantes do sindicato se encontrarão com o ministro Waldeck Ornellas, da Previdência Social, para formalizar as propostas.
A iniciativa da Força não é exclusiva. Há cerca de um mês a Central Única dos Trabalhadores (CUT) fundou o seu sindicato nacional de aposentados, hoje com dois mil filiados. Como a Força, a CUT também defende um sistema de previdência igual para todos.