Economia & Negócios

Colisões, nunca mais

Equipamentos para evitar batidas são as novidades das fábricas

As estatísticas provam: os motoristas são os principais responsáveis pelos acidentes de trânsito. Pode parecer ficção científica, mas as montadoras estão gastando fortunas no desenvolvimento de equipamentos que quase eliminam a necessidade do motorista à direção. São os chamados carros inteligentes. Eles vêm dotados de um sistema para evitar colisões dianteiras. Um bom exemplo dessa geração é o sedã Celsior, da Toyota.

O carro é equipado com um moderno dispositivo de radar a laser. Sensores instalados no pára-choque dianteiro monitoram a distância entre o Celsior e o carro que estiver à sua frente. Se ficarem próximos demais, imediatamente o carro é desacelerado. O Celsior passa a trafegar na mesma velocidade do carro que segue à frente.
Em situações de emergência, além da desaceleração, o sistema reduz marchas e aciona o freio. “A segurança é a grande preocupação da indústria. O sistema da Toyota é a prova dessa preocupação”, diz Marcos Saltini, diretor técnico da Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA).

O controlador de velocidade da Toyota foi lançado em agosto de 1997. O Celsior é vendido apenas no Japão, ao preço de US$ 56 mil. O equipamento depende da aprovação dos consumidores japoneses para ser incorporado a outras versões. Por enquanto, não há prazo para a chegada dele ao Brasil.

A Mercedes-Benz é outra fábrica que aposta alto no sistema de segurança. A montadora alemã também tem o seu controlador de velocidade, com princípio semelhante ao da fábrica japonesa. O dispositivo foi introduzido na luxuosa Classe S, composta pelos modelos 320, 500 e 600. Desses, apenas o 500 é comercializado no Brasil – mas sem o controlador de velocidade – ao preço de US$ 168 mil. O carro equipado com o sistema deve chegar por aqui até o final do ano. O Distronic, nome do dispositivo, permite ao motorista regular a distância entre o seu carro e o da frente. A aceleração é cortada assim que o limite de 150 metros for ultrapassado. Tanto o sistema da Mercedes quanto o da Toyota alertam em relação à presença de guias, muros e postes.

Hoje, o dispositivo está longe do consumidor médio brasileiro. Mas aos poucos esse espaço deve diminuir. Itens como air bag, lataria deformável, freios ABS e barra de proteção, até pouco tempo atrás inacessíveis, agora, são encontrados até em alguns carros populares.