Cultura

O romance inacabado de García Márquez

O escritor colombiano deixou um livro inédito cujo capítulo inicial acaba de ser revelado. Sua publicação é tida como quase certa, mesmo com seis finais diferentes

O romance  inacabado de García Márquez

abre.jpg

Da mesma linhagem de um gigante literário como Ernest Hemingway, o escritor colombiano Gabriel García Márquez não ombreava o colega apenas na qualidade da escrita. No plano mais corriqueiro, costumava ter o autor americano como modelo para uma de suas muitas idiossincrasias, a de não se decidir pelo desfecho de uma história. Não cansava de dizer aos amigos – e falava isso entre o orgulho de dividir uma mania ou para se desculpar do propalado perfeccionismo – que o autor de “Adeus às Armas” ficara indeciso entre os 21 finais que esboçara para a narrativa inspirada em suas experiências no front italiano durante a Primeira Guerra Mundial. Foi justamente a multiplicidade de caminhos abertos aos personagens da novela “Em Agosto nos Vemos” que adiou a publicação dessa suposta última obra, iniciada em 1999. Gabo não gostava do epílogo e morreu sem dar nele o ponto final. Na semana passada, a editora Penguin Ramdon House, dona dos direitos da obra do autor, declarou que o romance inacabado pode vir a ser lançado e que isso só depende da anuência dos herdeiros do escritor colombiano. No caso, a sua mulher, Mercedes Barcha, e os filhos cineastas Rodrigo e Gonzalo. O mundo literário ficou eufórico.

GABO-02-IE-2319.jpg
NAS MÃOS DA MULHER
Gabo com a sua mulher, Marcedes Barcha, na cidade natal de
Aracataca (2007): só ela pode dizer sim à publicação do novo livro

A declaração oficial da editora foi divulgada justamente quando o jornal espanhol “La Vanguardia” publicava o primeiro capítulo do livro (com créditos atribuídos aos herdeiros de Gabo), cuja história passada no exótico ambiente de uma ilha caribenha já dava pistas de um enredo envolvente. Segundo o editor espanhol de García Márquez, Claudio López, o manuscrito esteve em suas mãos e só não foi para a gráfica porque o autor não teve tempo de finalizá-lo: “O desfecho é demasiado aberto. Acredito que mais cedo ou mais tarde verá a luz do dia”, diz. A opinião é compartilhada por uma série de escritores, a favor da edição do romance mesmo sem o final definido. Ou, quem sabe, com os seis finais, o que não deixa de ser uma experiência curiosa, colocando a nu o processo criativo do autor. Se o último capítulo não satisfazia ao seu criador, o início cativa já no primeiro parágrafo. “Voltou à ilha na sexta-feira 16 de agosto, no barco das duas da tarde. Levava uma camisa xadrez escocês, jeans, sapatos simples de salto baixo e sem meias, uma sombrinha de cetim e, como única bagagem, uma mala de praia. Na fila de táxi da doca, foi direto a um modelo antigo, carcomido pelo sal” – assim começa Gabo, com objetividade jornalística, outra ponta de seu estilo consagrado. A fabulação, claro, logo se faz presente na viagem de Ana Magdalena Bach (mesmo nome da mulher do compositor alemão Johann Sebastian Bach), uma mulher casada de 52 anos, que há 28 visita a ensolarada ilha para depositar gladíolos na tumba de sua mãe.

GABO-03-IE-2319.jpg
CENÁRIO COMUM
Javier Bardem em "O Amor nos Tempos do Cólera", filmado em Cartagena:
ambiência exótica repetida na história de "Em Agosto nos Vemos"

Ana não é uma mulher comum: usa relógio masculino, camisa com as iniciais bordadas e aprecia gim-tônica. Numa noite no bar do hotel (o mesmo de sempre, o mesmo quarto de sempre), ela nota a presença de um homem na mesa à frente. A música, executada por um pianista de dedos preguiçosos e entoada por uma mulata de voz boa, era “Claire de Lune”, de Claude Debussy – mas em ritmo de bolero. “Vestia linho branco, como nos tempos de seu pai, com o cabelo metálico e o bigode de mosqueteiro terminado em pontas. Tinha na mesa uma garrafa de aguardente e um copo pela metade, e parecia estar sozinho no mundo”, continua o narrador, a essa altura assumindo o olhar da personagem. Como as mulheres fortes de Gabo, Ana toma a atitude, vai à mesa, vasculha a identidade do homem, convida-o para seu quarto. Acorda sem o amante do lado e com a consciência de ter traído pela primeira vez o marido, com quem se casara virgem. “Até então não se tinha dado conta de que não sabia nada dele, nem sequer o nome, e a única coisa que restava de sua noite era um tênue odor de lavanda no ar, purificado pela tempestade.”

01.jpg

Na cabeceira, dentro do volume de “Drácula” que lhe fazia companhia na viagem, uma nota de US$ 20.
As notícias sobre a existência de “Em Agosto nos Vemos”, antes concebido como um livro de contos, começaram a ser confirmadas em 2008, pela língua solta de alguns amigos. Um deles foi o jornalista colombiano Darío Arizmendi, dono da Radio Caracol, que já falava dos muitos rascunhos. Também amigo de Gabo e tradutor de “Cem Anos de Solidão”, o escritor brasileiro Eric Nepomuceno aconselha a ficar reticente em relação ao manuscrito. “Ele mudava seus livros frequentemente, dizia uma coisa e, quando o livro saía, era outra coisa”, afirma. Segundo Nepomuceno, o escritor tinha outra mania: gostava de convidar pessoas estranhas para conhecer os rascunhos, deixava-as enfurnadas em sua casa por três dias e não permitia que fizessem nenhum comentário do que leram. “Esses encontros tinham um código de máfia”, diz ele. Havia também os eleitos intelectuais, caso do conterrâneo Álvaro Mutis e do crítico uruguaio Ángel Rama, ambos mortos. Não faltam os que veem semelhanças entre o enredo de amor, morte e redenção pelo sexo de“Em Agosto nos Vemos” com o das três últimas obras do escritor, apontando para uma tetralogia, hipótese refutada por Nepomuceno. “Ele nunca escreveu séries”, diz. De qualquer forma, serve para o inédito a frase do último livro publicado: “O coração tem mais quartos que uma pensão de putas.”

02.jpg

Fotos: Divulgação