Cultura

Freud e a cocaína

Nova biografia do psicanalista revela que ele usava a droga não só para as pesquisas médicas, mas porque gostava. E acabou viciado, embora nunca tenha admitido

Freud e a cocaína

Sigmund Freud usou, receitou e defendeu arduamente a cocaína antes de seu banimento das prateleiras das farmácias para o mercado clandestino. Nunca foi algo que o pai da psicanálise tenha exatamente escondido, pelo contrário. O testemunho de Freud do potencial nocivo do “mittel” (medicamento, em alemão), no fim das contas, contribuiu para a proibição do uso da substância que, até o começo do século XX, era sintetizada por laboratórios como Merck e Parke-Davis e comercializada como tratamento para o vício da morfina, esse sim já reconhecido pela ciência.

FREUD-01-IE.jpg
ADICTO
Inimigos o acusam inclusive de assassinato, por ter receitado a droga,
o que de fato levou à morte de pelo menos um paciente

David Cohen, autor dos mais importantes perfis biográficos de psicólogos do século XX, segundo a respeitada revista “Psychology Today”, chega com seu novo livro “Freud e a Cocaína” (Record) a algumas conclusões sobre a relação de Freud com a droga que ele teria habilmente escondido do mundo.

O fracasso das teorias em defesa da coca na cura de histeria, problemas digestivos, asma e como um estimulante genérico levou o psicanalista a queimar dezenas de documentos sobre a droga quando a medicina reconheceu sua nocividade. Mas Cohen vai além e mostra que Freud errou muito por não se reconhecer como viciado (apenas em charutos, o que lhe valeu o câncer de mandíbula, “causa mortis” oficial). Mais grave ainda, sugere que parte da obra que mudou a forma de tratamento de males da mente foi produzida sob a influência do pó, a euforia decorrente do seu uso ou mesmo do sentimento de derrota que acomete os abstinentes, ainda que livres da substância, vivendo os deprimidos “um dia depois do outro”. “Ao examinar Freud e o seu legado, devemos recordar que a psicanálise, esse estranho exercício em que o paciente conta seus sonhos e abre sua alma deitado em um divã, foi inventada por um homem com um passado profundamente traumático”, escreve o autor. “Um homem que se tornaria usuário habitual de cocaína. Freud era zeloso em ocultar o seu passado, difícil e marcado pela dor, e os seus leais seguidores não o inquiriam muito a respeito, por isso não costumamos pensar no jovem Freud como prejudicado, vulnerável e um candidato promissor à dependência química”, conclui.

Também formado em psicologia, Cohen é possivelmente o jornalista que coleciona o maior número de entrevistas com os grandes nomes dessa ciência. E muito do que ele traz de demeritório em relação às experiências que Freud justificou como testes científicos vem de detratores confessos do médico austríaco. Cohen entrevistou dezenas de cientistas e pensadores para a revista “New Scientist” e conta que Freud, mesmo fora da pauta, tornava-se uma questão em qualquer conversa sobre análise. No livro ele reúne alguns que o amam e outros que o odeiam. E ainda os que simplesmente o acusavam de assassinato, como o colega Eric Miller.

01.jpg

De fato, ele perdeu pelo menos um paciente na sua aposta na cocaína. Ernst von Fleischl-Marxow, médico amigo de Freud, viciou-se em heroína por conta das do tratamento contra a dor de uma amputação de um polegar no trabalho de laboratório. Freud acreditava que a cocaína fosse um remédio ainda não testado para o tratamento do vício em opiáceos e recomendou ao amigo. Em pouco tempo Fleischl-Marxow se tornou dependente da droga, tendo morrido aos 45 anos de idade em decorrência do seu uso abusivo.

Para a maioria dos antifreudianos ouvidos pelo escritor, a psicanálise era uma teoria falha porque Freud seria pouco confiável, demente e falso. Não há como negar que ele deixou margem para isso. Além do material sobre cocaína destruído no momento da proibição da droga em 1914, o psicanalista deu um jeito de garantir que parte volumosa de sua produção do período de testes só pudesse ser acessada depois de 2025. Até lá, o material permanece, de acordo com o jornalista, trancado em caixas no acervo mantido pela Biblioteca Nacional do Congresso, em Washington. Mais que isso – e Cohen não é nada complacente com seu biografado –, vetar que Anna Freud, filha e herdeira profissional, conversasse com outros analistas além dele mesmo teria sido uma forma de evitar o vazamento de muito do que ele teria a esconder do mundo.

Não se trata, porém, de um apedrejamento. Cohen reafirma a importância da obra freudiana sistematicamente durante o livro, mostrando que até a grande contrariedade causada por seus pressupostos teve papel vital na formação do pensamento e das terapias atuais. O jornalista é ostensivamente contra, isso sim, às drogas e à legitimação de experiências em nome de uma produção intelectual. Admite ele mesmo ter sido usuário de maconha, ter experimentado a própria cocaína e admirar muito do que foi escrito sob e sobre o efeito de psicotrópicos. Mas mostra com a crueza que lhe foi possível a devastação causada por esse tipo de precedente.

O livro é dedicado à memória de William S. Burroughs Junior. Não ao pai, o autor faz questão. E atribui no prefácio, em que cruza o desamparo e a capacidade literária de Freud e Burroughs Junior, às aventuras de Burroughs pai com as drogas o papel definitivo na vida curta, dolorosa e não realizada do filho talentoso. Viciado, ele não encontrou divã que o salvasse da imagem da mãe tendo a cabeça estourada por um tiro do pai, um acidente durante um dos rituais que o sumo sacerdote da heroína costumava propor à mulher. O que para ele também era uma pesquisa com finalidade cultural.

Foto: AP