Economia & Negócios

FMI reduz de novo previsão de crescimento do Brasil

Fundo projeta elevação de 2,3% do PIB nacional em 2014

FMI reduz de novo previsão de crescimento do Brasil

INDICE-GRAFICO-MERCADO.jpg

O Fundo Monetário Internacional (FMI) voltou a reduzir as previsões de crescimento econômico do Brasil. Para este ano, a projeção é de que o Produto Interno Bruto (PIB) do País cresça 2,3%, abaixo dos 2,5% previstos em outubro e mesmo nível da expansão estimada para 2013. Em 2015, o FMI projeta avanço de 2,8%, também menor que os 3,2% divulgados no relatório anterior.

O Brasil deve ter este um dos menores crescimentos entre os países emergentes com previsões divulgadas no relatório de hoje. O México, por exemplo, deve se expandir 3% este ano e 3,5% no próximo. A África do Sul deve crescer 2,8% e 3,3% nos mesmos períodos. Entre os grandes mercados emergentes, só a Rússia deve ter desempenho pior que o Brasil, crescendo 2% este ano e 2,5% no próximo. O país, aliás, foi o que teve o maior corte na projeção para este ano, que era de expansão de 3% no relatório de outubro.

O Brasil deve crescer abaixo da média dos mercados emergentes e da economia mundial. Os emergentes devem se expandir 5,1% este ano, mesma previsão do relatório de outubro. Em 2015, o crescimento deve ficar em 5,4%, pouco acima dos 5,3% previstos anteriormente. Já a economia global deve avançar 3,7% e 3,9% este ano e no próximo.

O Fundo divulgou hoje um relatório em Washington atualizando as estimativas feitas durante sua reunião anual na capital americana em outubro, quando apresentou o documento "Perspectiva Econômica Global". As projeções anuais para a economia brasileira vêm sendo rebaixadas a cada novo relatório do FMI desde meados de 2012, por conta de fatores como os gargalos na infraestrutura.

No documento de hoje, o Fundo alerta que países emergentes com contas externas mais fragilizadas e fraquezas internas, como é o caso do Brasil, estão "particularmente expostos" ao risco de fugas de capital em meio à mudança da política monetária dos Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), que começaram este mês. A recomendação do Fundo é de que os governos deixem as moedas desvalorizarem e fiquem atentos para gerenciar uma piora da fuga de recursos.

Crescente volatilidade no mercado financeiro e nos fluxos internacionais de capital está entre os principais riscos que os mercados emergentes terão que enfrentar este ano, destaca o relatório do FMI. "A combinação de mudanças nas carteiras dos agentes e fraquezas domésticas pode resultar em fugas mais acentuadas de capital e ajustes nas taxas de câmbio", alerta o documento.
 

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel