Artes Visuais

Relatos líricos e históricos

Foto Bienal MASP 2013/ Museu de Arte de São Paulo, SP/ até 3/11 Rochelle Costi/ Galeria Luciana Brito, SP/ até 1º/11

Relatos líricos e históricos

PARALELOS Pinturas de Dora Longo Bahia da série -Farsa - Goya- alinham um fuzilamento retratado por Goya em 1808 e outro fotografado em 1979 (Rochelle Costi)

Das técnicas arquivistas, a fotografia é a maior delas. “Pelo fato de a câmera ser literalmente uma máquina de arquivamento, toda fotografia e todo filme são a priori um objeto arquivístico”, afirma o crítico e curador Okwui Enwezor no catálogo da exposição “Arquive Fever”, realizada no International Center of Photography, em Nova York, em 2007. Já Ricardo Resende, curador da Foto Bienal Masp 2013, afirma na primeira linha de seu texto curatorial que “a fotografia é um relato lírico”, construído como “um diário visual que toma a forma de uma crônica, conforme o fotógrafo acumula suas imagens no tempo”.

ARTES-02-IE-2289.jpg
PARALELOS
Pinturas de Dora Longo Bahia da série "Farsa – Goya" alinham um fuzilamento
retratado por Goya em 1808 e outro fotografado em 1979

chamada-roteiros.jpg

O artista ou curador que trabalha hoje com fotografia, invariavelmente, se depara com essa “crise de identidade” do meio. O que é a fotografia? Crônica, documento, prova de veracidade, farsa, invenção ou apagamento da memória para a construção de novas realidades? Essa dúvida regeu a curadoria de Ricardo Resende na nova bienal de fotografia do Masp e cada um dos 35 artistas escolhidos expõe à sua maneira essa tensão entre documentação e construção.

O trabalho de Dora Longo Bahia reflete essa identidade múltipla da fotografia contemporânea, ao ser construído em camadas de referências ao fotojornalismo e à pintura histórica. Nas obras da série “Farsa – Goya” (2013), ela pinta a partir de apropriações de reproduções de uma pintura de Goya e de uma fotografia de fuzilamento em guerra do final dos anos 1970. Ao aproximar essas temporalidades, a artista estrutura seu discurso sobre a continuidade da violência, da sociedade moderna à contemporânea.

ARTES-04-IE-2289.jpg
MENINAS NO MUNDO
Fotografia de Rochelle Costi intitulada "Coleção Grandes Obras I",
exposta na galeria Luciana Brito

Outro trabalho da Bienal que evoca as relações da fotografia com a informação e o relato histórico é a instalação “Tombo” (2012), concebida por Rochelle Costi com negativos do acervo de fotografia do Museu da Cidade de São Paulo. A alusão ao grande arquivo universal formado pela história da arte e da fotografia também é o mote da exposição individual de Rochelle Costi, em cartaz na galeria Luciana Brito, também com curadoria de Resende. A instalação “O Tempo Todo” aproxima fotografias de várias fases de seu trabalho, numa disposição que tende a conformar uma narrativa histórica da própria obra da artista. 

Veja também

+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Honda apresenta a Rebel CMX1100 para bater de frente com a Harley-Davidson
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel