Em Cartaz

The Chemical Brothers

(São Paulo, Via Funchal, dia 18; e Rio de Janeiro, Metropolitan, 19)

Bruxos de estúdio, Ed Simons e Tom Rowlands não tocam nenhum instrumento. Fazem um tipo de som frankenstein cuja originalidade está na desconstrução de músicas preexistentes – os chamados samples – através de uma parafernália digital. O resultado é a fusão de linhas de baixo vindas do funk com guitarras roqueiras distorcidas, misturadas a batidas aceleradas e a ruídos que parecem vir de outro planeta. Em disco funciona. Resta saber se ao vivo a alquimia se repete. Mesmo porque nas gravações a dupla costuma convidar gente famosa para participar. O próximo álbum, Surrender, por exemplo, conta com os vocais de Noel Gallagher da banda inglesa Oasis. Nos shows brasileiros deste primeiro festival Levi’s Live, abrem a noite o DJ inglês James Holroyd, além de grupos e DJs brasileiros. (I.C.)
VALE A PENA

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel