Brasil

O homem que se recusou a matar o marido de Dilma

A história do motorista de uma kombi que, em agosto de 1970, desacatou uma ordem dos agentes do DOPS e se negou a atropelar Carlos Paixão de Araújo, ex-marido da presidenta e então dirigente do grupo de esquerda VAR-Palmares

O homem que se recusou a matar o marido de Dilma

O REENCONTRO


No dia 12 de agosto de 1970, o advogado Carlos Franklin Paixão de Araújo imaginou um plano para pôr fim ao suplício da tortura a qual era submetido por agentes do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS) paulista. Ex-marido de Dilma Rousseff e seu companheiro de militância no grupo de esquerda Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-Palmares), Araújo inventou para seus algozes que tinha um encontro marcado no dia seguinte com o legendário Carlos Lamarca, o militante mais procurado pela repressão militar. O “ponto” supostamente aconteceria na rua Clélia, no bairro paulistano da Lapa. Com um fluxo intenso de ônibus e caminhões, a via lhe parecia um endereço adequado para tentar o suicídio, atirando-se contra um veículo de grande porte. Levado até lá, Araújo titubeou por um momento e se jogou embaixo de uma Kombi verde. Sofreu ferimentos nas pernas e na cabeça e acabou levado para o Hospital das Clínicas, em Pinheiros. Até a última semana, Carlos Araújo não sabia que quem guiava aquele carro era Darcy da Rocha Camargo. Muito menos tinha conhecimento de que o motorista da Kombi, hoje aposentado, 79 anos, havia salvado a sua vida, recusando-se a cumprir a ordem de um dos agentes do DOPS que conduziam a operação: “Dê a ré e termine o serviço para nós”, comandou o policial. Darcy respondeu que não queria matar ninguém.

chamada.jpg
O REENCONTRO
O motorista da kombi Darcy Camargo (acima) e Carlos Paixão Araújo
conversaram por telefone, na quarta-feira 12

MARIDO-02-IE.jpg

 

Quarenta e dois anos depois de terem os destinos entrelaçados pela Ditadura Militar, Carlos Araújo e Darcy da Rocha se falaram pela primeira vez, na quarta-feira 12, por telefone. A conversa ocorreu depois de o aposentado ler uma entrevista na ISTOÉ, no ano passado, na qual o ex-marido de Dilma revelava detalhes daquele incidente. O motorista resolveu, enfim, entrar em contato com o atropelado. No diálogo de três minutos e meio trocaram poucas palavras. Darcy não conseguia conter a emoção. Ao ouvir a voz do sujeito que saiu correndo e se atirou embaixo da Kombi guiada por ele, disse: “Fiquei me perguntando naquela hora (do incidente), será que eu matei o homem?”. Em meio a risos constrangidos, Araújo respondeu: “Eu que devo explicações. Imagina um sujeito se jogando como um louco embaixo do carro do senhor.” Ao final da ligação, ambos ficaram de combinar um encontro, desta vez, pessoalmente. “Eu quero contar em detalhes o que aconteceu e dar um abraço nele”, disse Araújo.

Avesso à política, do tipo que votou na extinta Arena, base política da ditadura, e, anos depois, no PT, Darcy da Rocha teve seu primeiro e único contato direto com o regime militar no dia em que dirigiu a Kombi. Motorista concursado da Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu (FCMBB), ele seguia normalmente a escala de trabalho que o mandava fazer o percurso de aproximadamente 250 quilômetros entre o município da região centro-oeste paulista e a capital do Estado. Acompanhado de outros três colegas, saiu ainda de madrugada para levar documentos e recolher materiais. No entanto, por volta das nove horas da manhã, foi literalmente atropelado pela realidade daqueles anos de chumbo. “O homem (Araújo) surgiu de uma hora para outra em direção ao carro. Não deu nem tempo de parar. A sorte é que eu estava devagar”, conta. “Parecia que queria se matar”, comenta.

MARIDO-X-IE.jpg
ANOS DE CHUMBO
Ex-marido, companheiro de militância política e
pai da filha da presidenta Dilma Rousseff, o advogado
Carlos Araújo depõe, em 1970, acusado de subversão
 

Abreviar a vida era mesmo a ideia inicial do dirigente do grupo de esquerda, mas a Kombi acabou sendo uma espécie de plano alternativo em meio ao desespero. Carlos Araújo havia sido preso um dia antes cerca de 7h30 da manhã perto do estádio do Palmeiras. Caiu nas garras da equipe do truculento delegado do DOPS Sérgio Paranhos Fleury quando se dirigia ao encontro de um colega de outra organização. As sessões de tortura começaram ainda na viatura e se estenderam por todo o dia nas dependências do órgão de repressão. Entre outras técnicas, o ex-marido da presidenta Dilma Rousseff foi submetido a choques. “Eu morava com um colega que estava viajando e só voltava em três dias. Precisava de tempo para ele não ser pego também”, explica. Ao ver que não conseguiria passar por aquelas sessões sem dar informações sobre companheiros, preferiu se suicidar. “Me matar era a única coisa digna fazer”, relata. “Na hora, eu vacilei. Resolvi me atirar embaixo de um carro, talvez não morresse e ficasse só bastante machucado para ter de ir ao hospital”, recorda.

A escolha desesperada de Carlos Araújo coincide com os relatos de outros ocupantes da Kombi ouvidos por ISTOÉ. No mesmo momento em que ele se atirou em direção ao veículo com um grito de desespero, havia ônibus tanto na frente como atrás do carro na movimentada via. Depois do incidente, aliás, foi uma questão de segundos até que agentes do DOPS se aproximassem, ordenando que ninguém descesse do carro. Dois deles apreenderam documentos de parte dos integrantes do veículo, outro sugeriu a Darcy que matasse Araújo. O não lacônico, de quem temia aqueles guardas, mas considerava ainda mais inadmissível matar um ser humano, foi o suficiente para que os policiais se fizessem de desentendidos e jogassem Araújo ferido dentro de uma viatura. “Pegaram ele pelas pernas e arremessaram dentro da viatura, como quem joga um saco de batata”, conta Darcy. “Fiquei pensando se tinha matado o homem.”

IEpag50a52_MaridoDilma-Attuch-3.jpg
INFORME DO DOPS
Documento de 13 de agosto de 1970 relata que Araújo "tentou suicidar-se"

O alívio, porém, só veio ao chegar às dependências do DOPS para buscar os documentos apreendidos. “Ali me falaram que ele tinha quebrado as duas pernas, mas estava bem”, recorda. Foi lá também que soube que se tratava de um advogado, preso “como terrorista”. Em meio às informações, gravou o “Paixão” do sobrenome do homem. Graças a esta informação, Darcy pôde acompanhar de longe a trajetória daquele personagem que entrou por acaso em sua vida. Em uma reportagem do jornal “O Estado de S.Paulo”, de outubro de 1970, ele viu, por exemplo, o rosto de Araújo pela primeira vez. A foto estava estampada em uma página da publicação que relatava o desmantelamento do braço paulista do grupo esquerdista VAR-Palmares.

Por causa do acidente com a Kombi e da recusa do motorista Darcy em dar a ré, o militante Carlos Araújo conseguiu escapar daquilo que mais temia: dar informações que pudessem colocar em perigo seus companheiros de militância. Encaminhado para o Hospital das Clínicas e depois levado ao Hospital Militar, ele contou com a proteção de freiras, que fizeram um escândalo quando tentaram torturá-lo ainda nos primeiros dias de internação. Depois, como diz, com o passar do tempo já não era um preso tão interessante para os agentes da repressão. Nem por isso, porém, passou ileso a outras amostras das truculências do regime ditatorial brasileiro. Condenado, cumpriu cerca de quatro anos de prisão. No período de cárcere oficializou o relacionamento com a agora presidenta Dilma Rousseff. O romance tinha começado ainda na clandestinidade – antes de ambos serem presos. Com a redemocratização, elegeu-se três vezes deputado estadual pelo PDT gaúcho. Hoje, aos 75 anos é avô, advoga, milita politicamente e exerce a distância uma posição de conselheiro da ex-mulher.

Fotos: Pedro Dias e Jefferson Bernardes/Preview.com



Saiba mais
+ Mãe de Medina compara Yasmin Brunet a ‘atriz pornô’ e colunista divulga conversa
+ Chamada de atriz pornô, Yasmin Brunet irá processar mãe de Gabriel Medina
+ Mulher divide marido com mãe e irmã mais nova: ‘Quando não estou no clima’
+ Em pose sexy, Cleo Pires afirma: "Amando essa minha bunda grande"
+ Médicos encontram pedaço de cimento em coração de paciente durante cirurgia
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio