Comportamento

O evangelho segundo hollywood

Filmes como Senhor dos Anéis e As crônicas de Nárnia são usados para catequizar os jovens

O evangelho segundo hollywood

NO ESCURINHO DA IGREJA "Em vez de partir da Bíblia para o cotidiano, faço o contrário", diz o padre Paulo Dea, que lança mão de filmes nas aulas ()

i69855.jpg

Foi-se o tempo em que um encontro de catequese se resumia a uma aula baseada na Bíblia e em livros didáticos. Para atrair a atenção dos jovens, acostumados com o dinamismo das novas mídias, vale até usar o bruxinho Harry Potter – protagonista da série exibida nas aulas. Outros filmes, como Senhor dos Anéis e A bússola de ouro, já condenados por católicos e protestantes pelo conteúdo "ocultista", entram no discurso religioso como aliados no processo de aprendizado da chamada moral cristã. "Esses filmes serão vistos de qualquer forma fora da Igreja. É melhor que nós façamos os contrapontos", defende o padre Luiz Alves de Lima, assessor da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).
O sobrenatural é contrário aos princípios da Igreja, mas, em vez de criticar as obras cinematográficas que o retratam, os catequistas utilizam esses filmes para expor as contradições humanas e ilustrar os ensinamentos bíblicos. "Funciona bem melhor do que atiçar a curiosidade dos jovens com a proibição", acredita o teólogo e escritor paulista Sérgio Fernandes. O padre Paulo Dalla Dea, teólogo e pároco da Diocese de São Carlos, no interior de São Paulo, encontrou em filmes como Homem- Aranha 3 uma oportunidade para falar de ética. Já na trilogia Senhor dos Anéis percebeu uma referência à retirada dos hebreus do Egito por Moisés, numa cena de perseguição em que as águas eliminam cavaleiros do mal. Em As crônicas de Nárnia: o leão, a feiticeira e o guarda-roupa, o leão Aslan é a metáfora perfeita de Jesus Cristo, com direito a sacrifício e ressurreição no final. "Em vez de partir da Bíblia para o cotidiano, faço o contrário. Proponho filmes que eles já assistiram para falar de aspectos que talvez não tenham percebido", diz o padre.
Para a coordenadora do grupo jovem da Igreja do Sagrado Coração de Jesus do Méier, no Rio de Janeiro, Érica de Holanda, obras que permitem explorar a ética religiosa ajudam a ilustrar a teoria das aulas. "A identificação com os dilemas expostos na tela gera bons questionamentos", diz ela, que já promoveu debates a partir de obras como Corrente do bem, Todo-poderoso e Paixão de Cristo. Além do cinema, letras de músicas e internet também são utilizados na catequese. Os métodos são aprovados pelos jovens, como a estudante Marina Cid, 15 anos. "Os encontros se tornaram menos cansativos", diz ela. Na opinião do professor de matemática e catequista Fábio Lagoeiro, de São Carlos, a mudança traz benefícios percebidos no dia-a-dia. "A participação dos alunos melhorou muito, assim como o espírito crítico", afirma.
O padre Paulo Ricardo, reitor do seminário de Cuiabá, em Mato Grosso, e membro do Conselho Internacional de Catequese, é um dos religiosos antenados com os novos tempos. Tem um site pessoal na internet e conta com vídeos no You- Tube gravados para o canal de tevê a cabo católico Canção Nova para aulas em que analisa os dilemas existenciais dos personagens de Senhor dos Anéis. "Há um conteúdo rico sobre a vitória do bem contra o mal que pode ser explorado", diz, ressaltando que o mito, a literatura e a fantasia fazem parte do processo de assimilação do evangelho. Na opinião dele, os representantes mais conservadores da Igreja fazem críticas superficiais à utilização de filmes na evangelização.
Embora bem-sucedida, a inclusão de recursos da mídia na catequese ainda é iniciativa isolada. "O processo de adaptação às novas linguagens está sendo lento", admite o padre Luiz Alves de Lima, da CNBB. Mas pode ser uma trilha a ser seguida no futuro, sobretudo uma forma de aproximar o jovem do catolicismo: "A Igreja que não se moderniza morre. É preciso manter os princípios, mas perceber que o mundo muda", diz Israel Néri, presidente da Sociedade de Catequetas Latino-Americanos.

Paixão de Cristo
Apesar da violência excessiva, ilustra o sofrimento de Jesus Cristo, que é a materialização de um dos ensinamentos recebidos pelos jovens na catequese

Harry Potter
Os conflitos que, no filme, são resolvidos com a magia são transpostos para a vida real, para fazer os jovens católicos refletirem sobre como lidar com problemas

As Crônicas de Nárnia
As referências bíblicas da obra são utilizadas para trazer à tona temas como pecado e redenção. O leão Aslan representa Jesus, com sacrifício e ressurreição

A Bússola de ouro
Embora tenha sido acusado pela Liga Católica americana de promover o ateísmo, discute a verdadeira figura de Deus e sua relação com os homens

Senhor dos anéis
O embate do bem contra o mal e os dilemas de Frodo (foto) são os principais pontos de análise. Tem valores católicos como bondade, simplicidade e fé nos outros
 

Veja também

+ Por falta de provas, Justiça nega pedido da defesa da ex-mulher do atacante Dudu
+ Namoro de Angela Ro Ro chega ao fim e ela desabafa: “Fui traída e usada”
+ Cantora Patricia Marx se assume lésbica aos 46 anos de idade
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior