Economia & Negócios

Capital Aberto

Capital Aberto

Vôo decisivo da Varig
A batalha final pelo comando da Varig está marcada para a assembléia geral do dia 24 de março, em Porto Alegre. A convocação para a reunião dá o tom da crise: "Divergência essencial de orientação sobre assuntos relevantes, estratégicos e de gestão." De um lado está o grupo ligado ao presidente Fernando Pinto. Na quarta 24, ele só não foi destituído graças ao poder de fogo da Fundação Rubem Berta, que detém 87,2% das ações. De outro, membros do conselho de administração, insatisfeitos com a atual administração. Eles alegam falta de controle da dívida da empresa, de mais de US$ 2 bilhões, agravada com a desvalorização do real.

 

Na cola da Brahma
Na semana passada, a Brahma avisou que a Pepsi assumiu o papel de líder de seus refrigerantes. O diretor de marketing da Pepsi, Flávio Maria, explica a mudança:

ISTOÉ Por que transformar a Pepsi em carro-chefe?
Flávio Maria É uma marca internacional, e cola é o segmento menos atacado pelas tubaínas no Brasil, além de ser o maior entre os refrigerantes.

ISTOÉ O que mudou em relação ao acordo anterior com a Brahma?
Flávio Maria O presidente da Pepsi no Brasil, Vasco Luce, fica 100% do tempo na Brahma. Antes, a Pepsi não entendia as necessidades fabris, o timing das promoções. Agora até opina nas questões dos refrigerantes da Brahma.

Quem dá menos?
Praticamente todas as lanchonetes de fast food aderiram às promoções de preços. É que os clientes estão rareando. A segunda quinzena de janeiro é uma boa amostra: no Habib’s, as vendas por loja caíram 30%, no Bob’s, 10% e no Arby’s, 14%. Entre as "pechinchas" de fevereiro figuravam a promoção "pague 10 esfihas e leve 15", do Habib’s. É ótimo para a imagem das redes ter itens tão baratos, só resta saber até quando vão conseguir segurar os preços do resto do cardápio. O McDonald’s ainda é um parâmetro para este mercado e é preciso coragem para mexer significativamente nos preços antes dele. "Esperamos que o líder se movimente. Mas estou assustado com esta falta de movimento dele", diz Guilherme Affonso Ferreira, presidente do Arby’s.