Ediçao Da Semana

Nº 2742 - 12/08/22 Leia mais

Assista ao trailer:

IstoE_Trailer_ABelaMorre_255.jpg

 

 

 

CARTAZ-01-IE.jpg

É certo ou errado antecipar a morte de um paciente em estado terminal? Para uma pergunta de tão difícil resposta, porque não há nessa questão unanimidade entre “certo” ou “errado”, o diretor italiano Marco Bellocchio fez um filme. “A Bela Que Dorme” é baseado na história real de Eluana Englaro, que entrou em estado vegetativo após um acidente de carro e cujo pai tentou desligar os aparelhos que a mantinham viva, motivando um debate jurídico e ético que durou anos. A nova produção do diretor de “Vincere” entrelaça diversas histórias ligadas pelo mesmo dilema. Há desde um casal que discorda se a eutanásia deveria ou não ser permitida até uma mãe (Isabelle Huppert) que mantém a filha viva artificialmente e a veste como boneca.

+5 Diretores italianos contemporâneos

CARTAZ-02-IE.jpg

Gabriele Muccino (FOTO)
Depois de “O Último Beijo”, foi chamado por Will Smith para dirigir “À Procura da Felicidade”

Marco Tullio Giordana
Em “Piazza Fontana: Uma Conspiração Italiana” retratou um atentado em Milão, em 1969, atribuído a grupos anarquistas

Paolo Sorrentino
Seu primeiro filme falado em inglês, “Aqui É o Meu Lugar”, foi estrelado por Sean Penn

Emanuele Crialese
Com “Novo Mundo”, sobre uma família pobre italiana que emigra para os EUA, ganhou seis prêmios no Festival de Veneza

Matteo Garrone
Dirigiu “Gomorra”, baseado no livro de Roberto Saviano sobre a máfia italiana