Mundo

EUA evitam abismo fiscal, mas outras crises se avizinham em 2013

Acordo entre Congresso e Casa Branca apenas atrasou em dois meses o debate sobre como diminuir o déficit

EUA evitam abismo fiscal, mas outras crises se avizinham em 2013

shutterstock_35833510.jpg

 

O acordo de último minuto entre a Casa Branca e os republicanos do Congresso evitou uma crise fiscal nos EUA, mas atrasou em algumas semanas as decisões dolorosas sobre o gasto público e o teto da dívida. Após semanas de tensão, a Câmara dos Representantes, dominada pelos republicanos, cedeu na noite de terça-feira e aprovou um plano que prevê um aumento dos impostos para os contribuintes com renda superior a 450.000 dólares.

O texto, que torna permanente as isenções fiscais da administração de George W. Bush herdadas pela classe média, também prevê uma extensão do seguro desemprego para dois milhões de pessoas, o que impulsionou os mercados. Nesta quarta-feira, no primeiro dia de operações de 2013, Wall Street abriu com fortes altas: o índice Dow Jones subiu 1,75% e o Nasdaq 2,54% nas primeiras movimentações, em sintonia com os mercados asiático e europeu.

Contudo, a crise do "abismo fiscal", como ficou conhecida a alta generalizada dos impostos somada aos fortes cortes nos gastos públicos, não foi totalmente superada, já que os representantes atrasaram em dois meses o debate sobre como diminuir o déficit. Agora, os republicanos, incomodados após ceder no tema imposto, vão querer que Obama faça concessões sobre o financiamento do governo e sobre o aumento do teto da dívida.

Na pior das hipóteses, todas estas votações se acumulariam provocando um novo "abismo fiscal" com consequências ainda mais graves.

Antes de partir para o Havaí, seu arquipélago natal onde costuma passar férias, Obama avisou que o assunto do teto da dívida não é negociável. "Não vou discutir de novo com o Congresso sobre a necessidade de saldar as contas deixadas por leis já adotadas", afirmou.

Em agosto de 2011, a discussão sobre o limite da dívida se estendeu e levou a agência Standard and Poor’s a retirar dos Estados Unidos a nota máxima de seu perfil de crédito, devido à crescente dívida e do pesado déficit do orçamento.

Contudo, os republicanos também mantiveram suas posições. "Agora, vamos nos concentrar nos gastos", afirmou o presidente da Câmara dos Representantes, John Boehner, que cedeu na terça-feira para evitar ser responsabilizado por uma crise que poderia levar o país de volta à recessão.

A votação do Ano Novo foi uma das últimas efetuadas pelo 112º Congresso dos Estados Unidos, e na quinta-feira começará a nova legislatura, na qual não haverá mudança no equilíbrio político, já que a Câmara baixa seguirá nas mãos da oposição e o Senado continuará com maioria democrata.

No entanto, o acordo não resolve o problema do corte no déficit, afirmam os republicanos. Eles asseguram que o acordo alcançado na terça-feira adicionará quatro bilhões de dólares de dívida nos próximos 10 anos. O total supera atualmente os 16 bilhões de dólares.

Erskine Bowles e Alan Simpson, ex-secretário do gabinete da Casa Branca e ex-senador republicano, respectivamente, encarregados por Obama de encontrar uma solução para o problema da dívida a longo prazo nos Estados Unidos, lamentaram que o Congresso tenha deixado passar essa oportunidade.

"Nossos líderes devem ter, a partir de agora, a vontade de reformar nosso código impositivo e os gastos obrigatórios para estabilizar nossa dívida", afirmaram.
 

Veja também

+ Toyota Corolla Cross é SUV do Corolla para brigar com Jeep Compass e cia; confira imagens oficias
+ Robert De Niro reduz limite do cartão da ex-mulher e diz que coronavírus implodiu suas finanças
+ Maria Zilda relembra como soube que Ary Fontoura era gay: “A coisa mais incrível que já ouvi”
+ Rafa Kalimann ensina receita de palha italiana; veja o vídeo
+ Juliana Caetano, do Bonde do Forró, fala sobre proposta de 500 mil reais que recebeu
+ MasterChef estreia sem "supercampeão" e cheio de mudanças
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ Coronel da PM diz que Bolsonaro é ‘falastrão’ e renuncia à entidade de Oficiais
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior