Mundo

EUA encaram as armas

Daqui para frente uma certeza acompanhará as crianças no ônibus que as transporta para a escola primária Sandy Hook, na cidade americana de Newtown

EUA encaram as armas

Chamada.jpg

Daqui para frente uma certeza acompanhará as crianças no ônibus que as transporta para a escola primária Sandy Hook, na cidade americana de Newtown – a certeza de que viverão num EUA mais seguro do que os EUA em que morreram recentemente 20 de seus coleguinhas e mais seis adultos, todos assassinados pelo atirador Adam Lanza, que invadiu o colégio armado de um fuzil AR-15 e após a chacina se suicidou. A garantia de um país em que matanças de franco atiradores serão pelo menos inibidas veio na semana passada com a determinação de o presidente Barack Obama enfrentar a até então intocável Segunda Emenda da Constituição americana. Promulgada num pacote de dez outras emendas constitucionais em 1789, ela outorga a qualquer cidadão dos EUA o direito de possuir e portar armas de fogo – a legislação, mais ou menos liberal em cada Estado, sempre foi cláusula pétrea para os republicanos e pelo menos algo não premente de alteração para os democratas.

1.jpg

O grande sinal de mudança veio agora com a tragédia de Newtown, a décima quinta desde o início do primeiro mandato de Obama. “É hora de passar das palavras à ação, faremos com que o acesso à saúde mental seja ao menos tão fácil quanto a uma arma. Vamos olhar mais de perto uma cultura que glorifica armas e violência”, declarou o presidente. Prova também dos novos tempos é que a própria Associação Nacional do Rifle (NRA na sigla em inglês, com sólida e poderosa base na bancada republicana no Congresso) acena em flexibilizar, ainda que minimamente, as suas posições. Eternamente irredutível diante do argumento de que é preciso controlar a compra de armamentos, passou a admitir que sejam fixados limites em sua aquisição, embora deva continuar se opondo à averiguação de antecedentes criminais do comprador em suas feiras. Outro ponto importante: também na semana passada, a empresa Cerberus Capital Management anunciou a decisão de vender a holding Freedom Group, que fabrica a marca Bushmaster, a mesma do fuzil utilizado pelo atirador de Newtown (a brasileira Taurus é uma das possível compradoras, segundo o “The New York Times”). Essas medidas, ainda tímidas, já são um passo em um país no qual a rede varejista Walmart tem quatro mil lojas e vende livremente armas em pelo menos metade delas. Por iniciativa própria, a cadeia Walmart paralisou a venda de semiautomáticas por meio de seus catálogos online. São, enfim, os 26 mortos de Newtown a mostrarem que até mesmo nos EUA, país do gângster Al Capone e do intocável Elliot Ness, o direito de andar armado não é sagrado.  

2.jpg

3.jpg

Fotos: divulgação; Scott Olson/Getty Images/AFP Pedro Ladeira/Frame; Xinhua News Agency/eyevine;

Veja também

+ Entenda como a fase crítica da pandemia de Covid-19 pode ter sido superada em SP
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Após se aposentar da Globo, Sérgio Chapelin aparece com novo visual; veja
+ Nick Cordero morre aos 41 anos, vítima de complicações da Covid-19
+ Hamilton bateu de novo em Albon; veja memes da F1
+ Pandemia adia cirurgia e saúde de Schumacher piora
+ Ford Ranger supera concorrentes e é líder de vendas
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior