Edição nº2595 19/09 Ver edições anteriores

O plano “A” de Aécio

Mineiro não dá ponto sem nó. E o tucano Aécio Neves já trabalha nos bastidores com a possibilidade de permanecer no Senado por mais tempo e lançar em 2014 o governador de Minas Gerais

O plano "A" de Aécio

CONF-01-IE.jpg

Mineiro não dá ponto sem nó. E o tucano Aécio Neves já trabalha nos bastidores com a possibilidade de permanecer no Senado por mais tempo e lançar em 2014 o governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, seu afilhado político, como vice numa chapa presidencial encabeçada por… Eduardo Campos. Para o neto de Tancredo Neves, o presidente do PSB é o caminho mais rápido para os tucanos voltarem ao Palácio do Planalto. Sinais da aliança começam a surgir com a nomeação do tucano Pedro Eurico para o secretariado de Campos em Pernambuco.

Natal em branco

O presidente do STF, Joaquim Barbosa, resistiu em ceder metade do plantão de fim de ano ao vice, Ricardo Lewandowski, como prevê o regimento. Barbosa acabou convencido por assessores a tirar uma folga. Mas avisou que se Lewandowski aceitar recursos dos advogados
dos réus do mensalão ele tentará derrubá-los no plenário na volta do recesso.

Socorro seletivo

Preocupado com o final da administração de Luizianne Lins em Fortaleza, o governo liberou recursos extras para reduzir o rombo de R$ 300 milhões nas contas da prefeitura. O socorro irrita centenas de prefeitos que, mesmo indo a Brasília, voltam com o pires vazio.

Denúncia a caminho

O MP investiga a empresa Basecard Cartões, que tem como único cliente um governo do PT. A empresa é apontada como laranja do doleiro Alex Ferreira Gomes, condenado a mais de 100 anos pela Justiça Federal por lavagem de dinheiro de influentes brasileiros.

Charge

IEpag34e35Conf-1.jpg

Interesse privado

Multada pela Infraero em R$ 14 milhões por descumprimento de contrato, a empresa de caminhões de bombeiros Rosenbauer América recorreu ao TCU. A área técnica declinou de competência para julgar. Mas o ministro Aroldo Cedraz está empenhado no caso.

PSD para VIPs

Está saindo caro ser filiado ao PSD. Parlamentares da sigla reclamam que só o lanchinho da liderança na Câmara sai a R$ 200 por mês a cada um dos 49 deputados. Os funcionários também pagam. A contribuição para a festa de fim de ano é de R$ 100.

Delúbio, quem?

O PT cedeu espaço no portal da sigla na internet para publicar artigos do ex-tesoureiro Delúbio Soares. Condenado no mensalão, sem cargo na direção da legenda nem emprego definido e exonerado da rede estadual de ensino de Goiás, os petistas não sabem como apresentá-lo ao público. Por enquanto, ele usará mesmo o aposto de "professor".

Espólio de Moon

Com a morte do reverendo Sun Myung Moon, deflagrou-se uma guerra dentro da seita Unificação Pela Paz Mundial pelo espólio do sul-coreano. A disputa pelos milionários bens envolve ex-membros da direção nacional, advogados
e desembargadores.

Perdendo altitude

O comandante da Força Aérea, Juniti Saito, entrou na linha de tiro da presidenta Dilma Rousseff, depois que ISTOÉ revelou a nomeação de filhos de brigadeiros para cargos estratégicos em empresa que possui contratos milionários com a FAB. Até a filha do comandante estaria trabalhando numa indústria do setor. Também chegou à mesa de Dilma uma carta-denúncia em que um ex-major faz uma série de revelações bombásticas sobre patrimônio incompatível de militares e possíveis desvios de recursos em unidades da FAB, inclusive no Grupo de Transporte Especial (GTE), que cuida da aviação presidencial.

E-mails fantasmas

Colegas do delegado Roberto Troncon não entendem como a Operação Porto Seguro não achou sequer um e-mail entre Lula e Rosemary Noronha. Na busca e apreensão, a PF teria localizado dez mil e-mails trocados por ela com integrantes do PT, inclusive o ex-presidente, a partir de 2003. Mas eles não constaram do relatório final nem da denúncia do Ministério Público.

Toma lá dá cá

CONF-04-IE-2250.jpg

André Vargas, deputado federal (PR) e secretário de Comunicação do PT

ISTOÉ – Sua escolha como vice-presidente da Câmara é atribuída ao ex-ministro Zé Dirceu. É verdade?
Vargas –
Minha vitória se deve à correlação de forças da bancada. Não sou amigo do Zé Dirceu, nunca tivemos uma reunião privada e ele nem sequer me recebeu quando era ministro. O que faço na política não depende dele.

ISTOÉ – Qual será a prioridade na vice-presidência?
Vargas –
A reforma política. Temos que encarar o financiamento de campanha, que está por trás de todos os escândalos recentes de corrupção.

ISTOÉ – Levará adiante a ideia da CPI para investigar FHC?
Vargas –
Isso surgiu em retaliação à convocação do ex-presidente Lula na Câmara. Temos de parar com esse vale-tudo e restabelecer parâmetros mais razoáveis para a luta política.

Rápidas

* O presidente do Conselho de Ética do Senado, Antonio Carlos Valadares (PSB-SE), arquivou representação apresentada pelo advogado Everton Calamucci contra o senador Ciro Nogueira (PP/PI). Calamucci acusava Ciro de trabalhar em favor de lobby das empresas de inspeção veicular.

* Petistas graúdos têm investido pesado em terras no sul da Bahia. Lá o metro quadrado custa em média R$ 2 mil. De olho no potencial imobiliário e turístico, que começa a atrair investimentos públicos e privados, um senador da base aliada já comprou alguns terrenos e até um hotel.

* O TCU resiste a homologar a aposentadoria de Magda Myron, braço direito do ex-ministro Márcio Fortes na APO. Ela é acusada de assinar contrato superfaturado em quase R$ 3 milhões com a empresa Dialog e virou alvo da CGU.

* Apesar da resistência da presidenta Dilma Rousseff, a ministra Helena Chagas, da Secretaria de Comunicação da Presidência, deve deixar o governo na reforma de fevereiro para cuidar da saúde. Em seu lugar, Dilma deve escolher um nome de peso da imprensa nacional.

Retrato falado

CONF-02-IE.jpg

Na polêmica votação do relatório final da CPI do Cachoeira, o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) apresentou destaque para garantir que as informações levantadas pela comissão ao longo de oito meses de trabalho sejam enviadas ao Ministério Público. Para Lorenzoni, a iniciativa evita que os documentos acabem dentro de um cofre e dá ao MP "a condição ímpar"de poder avançar nas investigações
das operações Monte Carlo e Vegas.

O pântano de André

CONF-OX-IE-2250.jpg

A ex-desembargadora Suzana de Camargo, cunhada do ministro do STJ Ari Pargendler, obteve liminar contra a OAB de Mato Grosso do Sul suspendendo a condenação de Paulo Tadeu Haendchen, advogado do governador André Puccinelli. Aposentada em julho, Suzana não cumpriu quarentena e advoga também para o desembargador Claudionor Duarte, réu em ação penal junto ao próprio Puccinelli e ao procurador Miguel Vieira.

AGU do "B"

Não é só Weber Holanda que pertence à chamada "banda podre" da AGU. Entre outros fichas-sujas está Roberto Giffoni, do Departamento de Assuntos Extrajudiciais. Ele foi denunciado na Caixa de Pandora e responde por formação de quadrilha, corrupção e lavagem de dinheiro.

Fotos: Rafael Hupsel/Ag. Istoé; PAULO H CARVALHO; DIDA SAMPAIO/AG. ESTADO/AE; Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr
Colaboraram: Izabelle Torres e Josie Jeronimo 


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.