Mundo

Coreia do Sul elege primeira mulher como presidente

Park Geun-Hye é filha de um ditador que comandou o país por 18 anos até ser assassinado

Coreia do Sul elege primeira mulher como presidente

000_Del6179187.jpg

Os cidadãos da Coreia do Sul elegeram nesta quarta-feira como chefe de Estado uma mulher pela primeira vez na história do país, com uma vitória apertada para a candidata do partido conservador, Park Geun-Hye. Com 85% das urnas apuradas, Park somava 51,6% dos votos, contra os 48% de seu rival liberal, Moon Jae-in, do principal partido de oposição, que reconheceu sua derrota.

Park, de 60 anos, é filha de Park Chung-Hee, ditador que comandou o país durante 18 anos até seu assassinato em 1979, lançou durante a campanha uma mensagem de "democratização econômica" – na qual apostava na redução das disparidades sociais através de um rápido desenvolvimento econômico – e prometeu criar novos empregos e aumentar os gastos com bem-estar social.

"Serei uma presidente que cumprirei em todos os sentidos as promessas que fiz ao povo", disse Park à multidão de simpatizantes em uma cerimônia da vitória ao ar livre no centro de Seul. Em dia eleitoral que foi feriado, 40,5 milhões de sul-coreanos estavam registrados para comparecer às urnas, 76% dos quais se dirigiram às sessões eleitorais, um número alto se forem levadas em conta as temperaturas no país, que giravam em torno dos -10 Celsius.

Para Moon, de 59 anos, filho de refugiados norte-coreanos e ex-advogado de direitos humanos que já foi preso por protestar contra o regime de Park Cung-Hee, foi uma derrota amarga. "Eu me sinto tão triste e culpado por ter falhado em alcançar minha missão histórica de iniciar uma nova era na política", disse Moon à imprensa em frente a sua casa em Seul. "Eu humildemente aceito o resultado da eleição", acrescentou.

As pesquisas antes da votação já mostravam uma disputa apertada entre Park, do PNF, e Moon, do Partido Democrata Unido (DUP, centro-esquerda, principal partido de oposição). Park Heun-Hye é a filha de Park Chung-Hee, um brutal autocrata, que promoveu a industrialização forçada do país e que permaneceu no poder até o assassinato em 1979. Sua foi morta em 1970 por um militante favorável à Coreia do Norte, que tinha a intenção de atingir o ditador com seus tiros. Já Moon Jae-In é uma das principais figuras da oposição no período sombrio do país e um adversário notório dos militares.

Tanto Park quanto Moon tentaram atrair a classe média e os mais desfavorecidos, com promessas de combater as crescentes desigualdades na quarta economia asiática. A Coreia do Norte não foi sequer um tema da campanha eleitoral, apesar de Pyongyang ter executado um lançamento de foguete na semana passada, coincidindo com o primeiro aniversário da morte do dirigente comunista Kim Jong-Il.

Park e Moon manifestaram o desejo de estimular as relações entre as duas Coreias. Park foi mais reservada, no entanto, porque os conservadores defendem há muito tempo uma linha intransigente com Pyongyang. Moon defende a retomada da ajuda sem condições à Coreia do Norte e pediu uma reunião com o dirigente deste país, Kim Jong-Un, filho de Kim Jong-Il.

Veja também

+ Toyota Corolla Cross é SUV do Corolla para brigar com Jeep Compass e cia; confira imagens oficias
+ Robert De Niro reduz limite do cartão da ex-mulher e diz que coronavírus implodiu suas finanças
+ Maria Zilda relembra como soube que Ary Fontoura era gay: “A coisa mais incrível que já ouvi”
+ Rafa Kalimann ensina receita de palha italiana; veja o vídeo
+ Juliana Caetano, do Bonde do Forró, fala sobre proposta de 500 mil reais que recebeu
+ MasterChef estreia sem "supercampeão" e cheio de mudanças
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ Coronel da PM diz que Bolsonaro é ‘falastrão’ e renuncia à entidade de Oficiais
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior