Gente

Passaporte para o estrelato

A briga de audiência nas tardes de sábado ferve quando Dani Bananinha entra em cena no Caldeirão do Huck.

Seu corpo malhado e o colo generoso, recentemente remodelado com 250 ml de silicone, são um sucesso. “Fiz um primeiro implante, de 175 ml, e achei pequeno. Mas ainda estou longe de ser uma Pamela Anderson”, diz. O esforço se explica: Dani quer virar um mulherão e ser chamada para fazer minisséries, como aconteceu com Danielle Winits. “Sou miudinha e por isso, mesmo aos 25 anos, ainda tenho de mostrar o RG para não ser barrada nas danceterias.”