Mundo

Um mistério de três decadas

Escavações podem levar ao corpo nunca encontrado do sindicalista Jimmy Hoffa, assassinado em 1975

Jimmy Hoffa nasceu em Brazil, e, talvez por isso, houve quem espalhasse o boato de que ele havia fugido para o Brasil com uma go-go girl, em julho de 1975. Tudo bobagem, é claro. O homem nasceu em 1913 no Estado americano de Indiana, numa cidade chamada Brazil. Ele foi um importante dirigente sindical, lutou com tenacidade por direitos civis e econômicos de seus companheiros, desafiou os donos do poder e foi preso por isso. Hoffa foi um líder dos oprimidos, mas também tinha ligações com a máfia. Aqueles que assistiram ao filme Hoffa (1992), com Jack Nicholson no papel principal, entendem tal mistura. O enredo é uma biografia romantizada do sindicalista mais famoso dos EUA, mas que não deixa dúvidas sobre suas ligações com mafiosos. E essa associação provou-se fatal: Jimmy foi morto há 31 anos e seu corpo desapareceu. Já procuraram nos locais mais improváveis. O mafioso Anthony Salerno jurou que o corpo de Hoffa estava na zona do gol no estádio dos Giants, em New Jersey. Salerno estava cumprindo pena de 102 anos quando contou esta história e ele pretendia colaborar com as autoridades para diminuir sua sentença. Foram feitas escavações em duas áreas da extremidade do gramado e o meio de campo. Nada foi encontrado. Outras improváveis últimas moradas do corpo do sindicalista incluem: o lixão de Fresh Kill, em Staten Island, que foi devidamente vasculhado; a funilaria de um automóvel Chevrolet, à qual teria sido misturado durante a moldagem da lataria. Hoffa poderia até estar no túmulo de Elvis Presley, que estaria vivo e escondido.

Na segunda-feira 22, os americanos foram surpreendidos com a notícia de que o FBI investigava o solo de uma fazenda na pacata Milford Township, um haras a 15 quilômetros de Detroit. A informação sobre o paradeiro dos restos de Hoffa teria vindo de um certo Donovan Wells, que morava no haras em 1975. Na época, a propriedade era de Rolland McMaster, um sindicalista protegido da vítima. A hipótese mais aceita é de que Hoffa foi assassinado no estacionamento do restaurante Machus Red Fox, a nove quilômetros de onde as escavadeiras agora trabalham. McMaster – que está cumprindo pena por tráfico de maconha em Kentucky – contribuiu para a nova busca, confessando que havia ajudado a enterrar o ex-líder e amigo, com quem ele estava rompido.

Hoffa talvez tenha sido o líder sindical mais importante do trabalhismo americano. Comandava os
“Teamsters”, a central que reúne
os empregados do setor de transporte. Nessa categoria estão incluídos desde motoristas até estivadores, passando
por mecânicos, frentistas de postos de combustível, empacotadores e mais centenas de funções. Eleito à presidência da entidade de classe em 1952, Hoffa
era idolatrado e conseguiu avanços legislativos de proteção a seus comandados, aumentos de salários, estabelecimento de planos de
saúde, carga horária decente e
seguro-desemprego.

A máfia, vendo oportunidades de bons negócios no setor, impôs sua vontade ao comando da categoria. Hoffa sucumbiu e tornou-se aliado importante do crime organizado. “Sob o comando mafioso, era possível paralisar toda a economia do país com uma greve de transportes. A contratação de trabalhadores, pelas empresas, passava pelo crivo do sindicato”, diz o historiador Donald Trivers. Conta-se que a eleição de John Kennedy, em 1960, só foi possível depois que a máfia corrompeu as urnas de Chicago, e Hoffa mandou os Teamsters votarem no candidato democrata e quebrarem a cabeça dos que preferiam Richard Nixon.

Se Hoffa esperava recompensas por ser cabo eleitoral, o governo Kennedy foi, no mínimo, uma decepção. O titular da Pasta da Justiça, Robert Kennedy, irmão do presidente, fez uma caça às bruxas mafiosas e centrou fogo também nos Teamsters. As investigações levariam à condenação de Hoffa a 15 anos de prisão em 1967. A pena foi comutada em 1971. Hoffa voltou à ativa na política sindical, mas os tempos eram outros e a máfia já não queria uma figura carismática, mas queimada, como ele. Em 30 de julho de 1975 ele sumiu do mapa.