2022, o melhor ano sempre

2022, o melhor ano sempre

Um país que acha razoável que o passado seja simultaneamente incerto e cheio de glórias, e o futuro um nome próprio cheio de paz, tem sempre uma vantagem sobre o resto do mundo: o Otimismo.

Marcando mais um ano impactado pelo Covid-19, as pessoas estão ansiosas pelo que o ano de novo possa trazer ao Brasil, mas no meio de tanto otimismo, as preocupações são uma constante, e 2022 vai dar muito “samba”, mesmo sem ter carnaval.

Na política — tem eleição; na festa — tem bicentenário; no ambiente — tem Amazonas; no aumento dos preços — tem inflação; e com a pandemia também — pois se a maioria espera maiores taxas de vacinação, a metade espera o aparecimento de uma nova cepa mortal.

É verdade que as eleições em outubro são um perigo porque prometem dividir os brasileiros como nunca aconteceu até hoje, mas o otimismo é maior e ele dita que o que une todos é mais forte, mesmo que às vezes não pareça.

A gente adivinha aquele ambiente de campanha eleitoral, com muitos discursos inflamados e decisões que alguns dizem desastrosas na área económica — como o maior banco do Brasil até já veio prever — mas também não seria legítimo, nem sensato, que os políticos atualmente no poder não procurassem se manter.

É por isso que a estatística é sempre pior que a fé, mesmo que seja mais exata. E o otimismo é sempre melhor que a verdade, mesmo que ela seja boa.

O otimismo é a arte de enxergar borboletas onde todos só vêem lagartas. Tomando o assunto mais importante do momento, a vacinação, isto mesmo é o que comprova um estudo internacional da Ipsos — feito em 33 países — quando explica que mais da metade das pessoas (56%) acredita que mais de 80% da população mundial receberá pelo menos uma dose de vacina Covid-19 em 2022.

E são os latino-americanos — apesar das maiores dificuldades, os maiores otimistas — 81% no Peru, 76% no Brasil, e 69% no Chile. Na Europa, onde tudo são euros e dólares os números despencam — 42% na França, 38% na Suíça e 33% na Alemanha.

O mesmo acontece com a expectativa de regresso à vida normal — nove em cada dez (87%) chineses dizem que é provável que isso aconteça em 2022 e na América do Sul as pessoas têm expectativas semelhantes, com quatro em cinco (78%) na Argentina, no Brasil e Colômbia também esperam que o centro de suas cidades esteja novamente ocupado.

Quem sabe tudo mesmo é o “mister” do meu time quando fala que só faz “previsões no fim da partida”. E não esqueça o mundo pertence aos otimistas: os pessimistas são meros espectadores. Pecado mesmo, é não ter esperança.


Saiba mais
+ Andressa Urach pede dinheiro na internet: ‘Me ajudem a pagar a fatura do meu cartão’
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

Tópicos

2022 Amazonas Covid

Sobre o autor

Fundador da Informacion Capital Consulting e Diretor da Câmara de Comércio e Industria Luso Brasileira em Lisboa onde coordena o comité de Trade Finance é o autor do estudo "O Potencial de Expansão das Exportações Brasileiras para Portugal”. Atua atualmente como investidor e consultor, estando envolvido em projetos de intercâmbio internacional nas áreas do comércio, tecnologia e real estate. Vive com um pé em cada lado do Atlântico, entre São Paulo e Lisboa. É autor e colunista na imprensa internacional sobre temas de investimento, importação e exportação e inteligência de mercado. É um entusiasta da cultura e da língua portuguesa.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2022 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.