2022: alternativa ou contaminação

O sujeito determinado a apoiar o governo de forma irredutível jamais dará o braço a torcer, mas dificilmente adotaria a mesma postura de rechaço à divulgação das conversas entre o ministro Sergio Moro e o procurador da República Deltan Dallagnol se eles fossem sumidades petistas.

Para além de exercícios hipotéticos, contudo, basta um nome para explicar de maneira objetiva a recusa de tantos em admitir que, sim, o comportamento de Moro e Dallagnol ofendeu o princípio do estado democrático de direito: Glenn Greenwald. Arrisco dizer que a inegável militância do renomado jornalista faria sobrancelhas se erguerem mesmo em sociedades pacificadas. Nada mais natural, então, que isso aconteça no Brasil, onde a polarização tem ditado o tom das relações.

O envenenamento da percepção pública a respeito da troca de mensagens é sintomático. A credibilidade dos fatos está sendo questionada a partir de um ponto de vista ideológico. E no momento é a esquerda quem paga essa conta por causa da repulsa generalizada ao petismo. Trata-se de um sentimento facilmente percebido nas eleições e que não tem motivo para arrefecer tão cedo. Até porque o trauma provocado pelos governos do PT é alimentado ainda hoje pela postura do partido — estrategicamente acertada, pois permite à legenda conservar o seu feudo, ainda que ao custo do reforço da dicotomia. Assim, ou bem a oposição busca alternativas que não contaminem seus argumentos ou, a menos que a economia patine, não terá chances de sucesso nos próximos pleitos.

E não adiantará jogar luz sobre as ignóbeis pautas que Bolsonaro e seu governo são capazes de defender, o despreparo dos ministros e o mal que suas condutas infligem à imagem do País. Sempre será possível argumentar que a esquerda teve a chance de governar por quase duas décadas e que nunca houve um esquema de corrupção tão perverso — com o objetivo claro, não só de enriquecimento privado, mas de aparelhar o estado e sequestrar a democracia para perpetuar um projeto de poder. Todos argumentos legítimos, diga-se.

Para além do Partido dos Trabalhadores e das vozes radicais é preciso ver se os setores moderados do campo progressista serão capazes de fazer valer seus posicionamentos. Afinal, não se trata apenas de uma disputa pela oportunidade de empunhar a caneta. Quem ganha com a pluralidade de ideias e, acima de tudo, com propostas avessas aos extremismos, é a própria democracia.

A democracia ganha com ideias avessas aos extremismos. Resta saber se os moderados progressistas vão fazer valer seus posicionamentos nesse ambiente envenenado

Veja também

+ Cantora MC Venenosa morre aos 32 anos e família pede ajuda para realizar velório
+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.