Tecnologia & Meio ambiente

2019 foi 3º ano mais quente na Itália desde 1961

ROMA, 09 JUL (ANSA) – O ano de 2019 foi o terceiro mais quente da Itália desde 1961, quando iniciou a série histórica, com temperatura 1,56º Celsius mais alta em relação à média, informou o Instituto Superior para a Proteção e Pesquisa Ambiental (Ispra).   

Segundo o estudo, o calor foi particularmente muito mais intenso entre 26 e 29 de junho, quando foram registrados recordes absolutos de temperatura em diversas áreas do noroeste e nos Alpes do país – com algumas cidades batendo os 40ºC. Em média, o mês de junho no norte italiano ficou mais quente em 4,25ºC, no centro em +4ºC e no sul em +3,27ºC.   

Citando os efeitos do calor extremo, o Ispra destaca as fortes tempestades e chuvas atípicas, com volumes de duas a três vezes o que foi registrado na média entre 1961-2019.   

Especialmente, a “intensa perturbação que no dia 21 de outubro atingiu a Ligúria e o Piemonte (entre as províncias de Gênova e Alessandria), com precipitações de intensidade excepcional em intervalos de 12 a 24 horas” e “os repetidos episódios de ‘acqua alta’ em Veneza com níveis de maré até a 187 centímetros, evento excepcional que causou graves danos ao patrimônio artístico da cidade”.   

Analisando mês a mês do ano passado, houve apenas uma diminuição nos termômetros entre janeiro e maio (-0,58ºC e -1,49ºC). Nos demais, todas as temperaturas estiveram muito acima da média.   

+ Menina engasga ao comer máscara dentro de nugget do McDonald’s

O Ispra destaca que 2019 foi o 23º ano consecutivo com as temperaturas mais altas em relação à média de 1961 e 2019 e que oito dos 10 anos mais quentes da história foram registrados desde 2011, com variações positivas de temperatura entre +1,26ºC e +1,71ºC.   

O estudo também fez um cálculo sobre as chuvas que atingiram o território italiano e concluiu que houve uma anomalia de precipitação acumulada média de 12%. Isso coloca 2019 na 11ª colocação no “ranking” desde 1961. O norte da Itália teve uma alta de 21% na quantidade de chuvas ao longo do ano, a quinta maior da história, sendo que o mês de novembro foi o mais chuvoso, com alta de 200% na comparação com a média. O máximo de precipitação foi registrado, justamente, no dia 21 de outubro, quando foram registrados valores entre 400 e 500mm de precipitação na Ligúria e em Piemonte. Por outro lado, o maior período sem chuvas foi registrado em Catânia, que ficou 318 dias com tempo seco. (ANSA)

Veja também

+ Seu cabelo revela o que você come (e seu nível socioeconômico)

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Gésio Amadeu, o Chefe Chico de Chiquititas, morre após contrair Covid-19

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?